Grupo Globo anuncia flexibilização de planos comercias para agências e anunciantes

09 de Agosto de 2019

A ideia é trabalhar com um sistema volátil de formulação de preços

Os canais de mídia do Grupo Globo estão flexibilizando a forma de atuar com o mercado publicitário. Quem afirmou isso foi o presidente executivo da organização, Jorge Nobrega, durante a apresentação do MG4, complexo de três unidades de gravação que passam a integrar os Estúdios Globo, resultado de um investimento superior a R$ 200 milhões, na tarde desta quinta-feira (08).

De acordo com o executivo, a ideia é não ter tabelas fixas e trabalhar de forma similar às companhias aéreas, que adotam um sistema diário e volátil de formulação de preços, para cima ou para baixo. “Recentemente fizemos uma alteração na área comercial que passou a atuar de forma integrada. A ideia é oferecer soluções mais efetivas para os nossos clientes”, explicou Nóbrega.

Além disso, o processo de transformação do Grupo Globo contempla também uma nova métrica de alcance e do volume de pessoas atingidas pelos seus conteúdos. “Não são mais 100 milhões de uns. Agora são 100 milhões de Globos para cada um desses 100 milhões. Estamos mudando o modelo de radiodifusão tradicional para adotar um jeito B2C. Já temos 30 milhões de cadastros que nos permitem novas ofertas”, acrescentou Nóbrega.

Esse número de 30 milhões, porém, já é consolidado. É resultado de um filtro feito a partir de 70 milhões de cadastros. Carlos Henrique Schroeder, diretor-geral da TV Globo, disse que o refinamento dos dados eliminou redundâncias. “Tivemos muito trabalho para termos essa base. Usamos dados dos veículos do grupo, cadastros feitos no Globoplay e nos canais da Globosat. Poderia ser um número maior, mas as operadoras de TV a cabo não passam as informações sobre a Globo”, acrescentou Schroeder.