ENTREVISTA | Luiz Falcão, diretor de Sustentabilidade da ACIF

18 de Dezembro de 2019

Programa ReÓleo, duas vezes no Guinness Book, comemora números de 2019

Programa ReÓleo - Divulgação ACIF

O programa ReÓleo, da ACIF (Associação Comercial e Industrial de Florianópolis), colocou a capital catarinense no Guinness Book por duas vezes como a cidade que mais recicla óleo de cozinha no planeta. Em 2019, a iniciativa comemora ainda mais recordes. Foram 387 mil litros arrecadados, 9,6 mil pessoas impactadas pelas palestras Reciclar É Educar (em 2018 foram 7,1 mil) e 38 escolas inscritas na Gincana ReÓleo, que coletou 11,7 mil litros, contra 9,6 mil no ano passado. A ação também conquistou o Prêmio Fritz Muller na categoria Resíduos Sólidos, entregue no último dia 10 de dezembro. Abaixo, Luiz Falcão, diretor de Sustentabilidade da entidade, explica sobre as conquistas e dificuldades da conscientização da população.

 

O programa ReÓleo ganhou destaque internacional. Como essa visibilidade contribui para incutir na sociedade mais conscientização?

Esta divulgação abriu portas para a mídia espontânea, ampliando a capilaridade do projeto fazendo com que as pessoas mudassem atitudes. Tudo contribuindo para uma sociedade mais harmoniosa com a natureza e com melhor qualidade de vida. Criou-se uma identidade do Programa ReÓleo com as pessoas da Grande Florianópolis.

 

 

As crianças são um grande foco do ReÓleo e carregam os ensinamentos do programa. Ainda existem muitos adultos reticentes em aderir ao processo proposto?

Infelizmente sim. Mas estamos trabalhando para reverter este cenário, pois isto ocorre, principalmente, por desconhecerem o mal que o óleo de cozinha provoca na natureza e ao ser humano, descartando-o de forma indevida, sem nenhuma preocupação com o meio ambiente. A reciclagem reduz a quantidade de gordura no sistema de coleta e tratamento do esgoto. Daí nosso ímpeto em promover a educação ambiental nas escolas, nas empresas e nas comunidades. 

 

 

Como convencê-los?

Investindo na educação ambiental, em especial das crianças nas escolas. A educação é um processo social e de desenvolvimento do ser humano e a didática utilizada propicia o conhecimento com práticas e experiências para a preservação da natureza. As palestras estimulam a pensar, refletir sobre o descarte correto e as transformam em agentes multiplicadores junto aos adultos. A grande estratégia é realmente apostar nesta preciosa semente.

 

 

 

Entrevista realizada em parceria com a Palavra.Com

Notícias Relacionadas