Publicidade
Cases catarinenses são compartilhados em evento realizado pela ADVB/SC e Fecomércio
14 de Abril de 2016

Cases catarinenses são compartilhados em evento realizado pela ADVB/SC e Fecomércio

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

Na última terça-feira, 12/04, aconteceu em Florianópolis  um encontro que teve como tema a economia brasileira seus problemas e suas oportunidades. A ADVB/SC e Fecomércio SC reuniram empresários catarinenses que discutiram as pautas recorrentes nos noticiários nacionais e internacionais sobre o momento dramático pelo qual passa a economia brasileira. A queda de 4% no PIB nacional neste ano, entre outros indicadores negativos, tiveram o contraponto do perfil do Estado catarinense que se reveste de um mercado de economia diversificada, com empresas que são referências globais em empreendedorismo e inovação, além de características que destacam Santa Catarina no cenário nacional, como o menor índice de desemprego do país e distribuição de renda equilibrada.

“Diante desse cenário adverso, com cerca de 60% das famílias catarinenses endividadas, cabe aos catarinenses escolherem entre reagirem e assumirem o protagonismo para fazer a economia girar ou serem contaminados pelo pessimismo e os números negativos da economia brasileira. Os empresários precisam dar os primeiros passos. Esta é a hora para se reinventar, fazer mais com menos e buscar oportunidades”, avalia o presidente da Fecomércio SC, Bruno Breithaupt.
A opinião compartilhada também por Daniel de Oliveira Silva, presidente da ADVB/SC. “Mesmo num cenário desafiador onde os números não estão favoráveis, é possível buscar oportunidades. Nós da ADVB entendemos que isso acontece através do uso de ferramentas de marketing e vendas. A crise é momento para inovar. O empresário tem que agir, sair da inércia, para ter novas oportunidades. Temos ainda muito para explorar e mover o mercado. A campanha “Eu movo o mercado”, tem esse objetivo, incentivar e desafiar o empreendedor a olhar o outro lado do iceberg”, explica Daniel.

Publicidade

Cases catarinenses 
Para inspirar as lideranças, três indicados ao Prêmio Personalidade de Vendas 2016, Mário Neves, presidente dos veículos da RBS em Santa Catarina, Nilso Berlanda, fundador da Lojas Berlanda, e Topázio Silveira Neto, presidente da Flex Contact Center, comandaram o painel de debates. Confiança, visão de mercado e muito trabalho foram palavras imperativas nos três discursos.

RBS
Mario Neves citou o movimento “Decida vencer”, lançado no ano passado na emissora, que destacava cases de empresários e especialistas que apostaram na gestão eficiente para driblar o panorama desafiador. “Estamos mostrando a realidade da crise nos veículos da RBS, mas também trazemos exemplos positivos e boas práticas desenvolvidas em Santa Catarina para estimular a confiança do mercado”, avalia.  Neves está no grupo há 26 anos e comandará também a transição da empresa nos próximos anos.

FLEX
Retenção de talentos e olho no caixa são as principais lições de Topázio Silveira Neto. De acordo com o empresário, a recessão tem um forte componente emocional e é necessária uma mudança de postura.  “O Brasil é maior que a crise. Acho que todos os dias a gente deve acordar, atender bem o cliente, buscar inovação, melhorar a produtividade e, sobretudo, controlar as finanças. É importante manter os bons funcionários e mostrar que o trabalho deles é importante para mudar a realidade”, pondera. Com matriz em Florianópolis e 11 Unidades de Operação nas cidades de Florianópolis, Lages, Xanxerê e São Paulo, a empresa emprega mais de 11 mil profissionais.

BERLANDA
O momento exige que o empresário esteja adequado à nova realidade econômica, de acordo com Nilso Berlanda, empresário à frente da maior rede estadual de móveis, eletrodomésticos e eletroeletrônicos em número de lojas. “Em 2014 já tínhamos um sinal de que o varejo e a economia passariam por uma mudança. Fomos em busca de soluções para nos mantermos firmes: começamos a fazer a solicitação de dedução de alugueis, enxugamos a empresa e também partimos para a área industrial, buscando produzir produtos para ter um preço mais competitivo lá na frente. Se a gente se manter agora, o cenário muda e teremos oportunidade de voltar a crescer”, comenta animado.

Publicidade
Publicidade