Adaptação escolar merece atenção da família e da escola

23 de Janeiro de 2020

Quem sofre mais, os filhos ou os pais?

 

Esta matéria está disponível em áudio no Spotify.

 

 

Com a proximidade do início das aulas muitos pais se preocupam com a adaptação dos filhos. Seja porque estão iniciando a vida escolar ou porque trocaram de colégio, este é um dos assuntos que mais preocupa as famílias e merece atenção especial de professores, pedagogos e psicólogos. Não há regras para este período de adaptação, depende de cada criança. Normalmente dura entre uma semana e um mês. Durante este período os pais, ou responsáveis, acompanham a criança por algumas horas dentro do ambiente escolar, o que ajuda na familiarização com o novo espaço.

“Nós, enquanto instituição de ensino, respeitamos e observamos o tempo de cada criança. A escola trabalha e almeja duas conquistas fundamentais no processo de adaptação: autonomia e independência”, explica Mayara Nascimento, psicóloga do Ensino Infantil do Colégio Energia Florianópolis.

Quem sofre mais, os filhos ou os pais?
Os pais acabam sofrendo bastante também, muitas vezes até mais do que as crianças, alerta a psicóloga. “Sempre fica um pouco de culpa por deixar o filho tão pequeno muito tempo na escola, mas hoje é a realidade de muitas famílias. Ressalto a importância de buscar um bom colégio tanto para os pequenos quanto para nós, pois precisamos passar o dia tranquilos sabendo que nossos filhos estão bem cuidados”, confessa Daniella Digiácomo, mãe do Enzo, de três anos, que está na adaptação do Colégio Energia.

Por isso o período de adaptação escolar deve ser visto com cuidado. Em alguns casos os pais sentem culpa que não conseguem se desvincular da criança e é comum chorar ao se despedir do filho. “Nós costumamos lembrar os pais que a criança percebe e sente quando a mãe ou o pai estão inseguros”, frisa Mayara.

No Colégio Energia a adaptação acontece de forma gradativa, com o intuito de promover o vínculo e a confiança entre a criança e a professora. Para Danielle Digiácomo, a escola tem um papel importante nesta fase, desde a recepção até as atividades praticadas. “Estamos felizes com este processo no Colégio Energia, percebemos uma preocupação em apresentar novos amigos, o ambiente escolar e recebemos até informações sobre a alimentação do Enzo. Toda e equipe contribui para que ele se sinta a vontade na nova escola”, avalia.

Algumas atitudes podem tornar este período menos doloroso:
- Chegar no horário combinado, pois se for muito cedo à criança poderá ficar ansiosa. É importante a pontualidade também no horário de saída para estimular o desejo da criança em ficar na escola;

- Levar para escola um objeto de valor afetivo, para ajudar nessa fase de maturidade emocional. Pode ser um cheirinho, naninha, fraldinha;

- Ao chegar à escola, estimular seu (a) filho (a) a vir de mãos dadas até a sala de aula e não no colo. Isto irá auxiliar na autonomia e segurança da criança. Quando for bebê, entrega-lo para professora e se despedir com um beijo e muita segurança, sem demora, para não dificultar o momento;

- Os pais devem agir com tranquilidade, então a dica é conversar bastante com os professores e profissionais da Instituição. Como por exemplo, conhecer o método da escola e sentir total confiança no ambiente. Ao fazer a escolha da escola com segurança, fica mais fácil passar pelo processo de adaptação e transmitir tranquilidade ao seu filho.

 

Notícias Relacionadas