Velho ou novo? Estratégico ou tático? Conheça as respostas para suas perguntas sobre publicidade durante a COVID-19

26 de Maio de 2020

Saiba como os anúncios de resposta tática COVID-19 estão se conectando 

 

As marcas geralmente são aconselhadas a continuar anunciando durante uma recessão, mas há considerações diferentes durante uma recessão induzida pela saúde causada por doença. O especialista Orlando Wood, diretor do System1  compartilha alguns conselhos no Guia WARC e você irá conhecer alguns deles a seguir.

O Guia WARC analisa o marketing na recessão COVID-19, incluindo uma avaliação das expectativas dos consumidores das marcas durante a crise. Assinantes do Warc podem  ler o Guia WARC de Marketing na recessão COVID-19 na íntegra aqui.

Conexão
Wood examina se as marcas podem continuar usando seu trabalho preexistente e como os anúncios de resposta tática COVID-19 estão se conectando. E ele responde a essas perguntas referenciando um experimento e uma análise extraídos do banco de dados de publicidade do System1, testyourad.com. O System1 testa todos os anúncios veiculados na TV no Reino Unido e nos EUA em busca de resposta emocional e reconhecimento de marca, prevendo sua eficácia em gerar ganho de participação de mercado.

Ao testar novamente os anúncios que continuam sendo exibidos durante a crise testada pela primeira vez em janeiro e fevereiro contatou-se pouca mudança na capacidade da publicidade preexistente de se conectar com o público. "Portanto, as marcas podem ter certeza de que sua publicidade pré-existente continuará conectada após a crise", diz Wood.

Se isso é animador, também o é a constatação de que todos os novos anúncios que aparecem em bloqueio parecem estar se conectando melhor com o público hoje e com uma marca melhor do que aqueles que aparecem no mesmo período de 2019. E o mesmo é verdadeiro quando se olha especificamente para anúncios táticos de resposta COVID-19, embora, quando discriminados em um nível de marca, fique claro que algumas categorias se saem melhor que outras.

Não é de surpreender que os anúncios COVID-19 de marcas de telecomunicações e fornecedores de alimentos tenham um desempenho mais forte do que os de marcas de automóveis, empresas de crédito e serviços financeiros.

“Para algumas marcas, existem razões convincentes para criar publicidade com resposta COVID - você pode promover ou sinalizar uma alteração em um serviço ou produto, anunciar uma iniciativa ou assegurar novamente seus clientes”, diz Wood.

“Para outras marcas, o caso é menos claro. A menos que haja um motivo convincente para anunciar, talvez seja melhor exibir ou reeditar o trabalho atual”, diz o executivo.
 

Notícias Relacionadas