Startup catarinense vai produzir tecido pulmonar in vitro para testes da Covid-19

29 de Junho de 2020

Projeto tem apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina (Fapesc)

Foto: Mauricio Vieira / Secom

 

Bactérias que produzem material orgânico para garantir a multiplicação de células humanas e tecidos feitos em laboratórios que simulam pequenas partes do corpo. Soluções como essa estão sendo realizadas em Florianópolis e  podem colocar Santa Catarina no mapa das alternativas inovadoras no combate à Covid-19. A partir de agora, a startup Biocelltis, referência na produção de pele humana in vitro, passará a fazer tecido pulmonar, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina (Fapesc).

O material servirá para analisar a ação do novo coronavírus no pulmão, assim como confirmar a eficiência de medicamentos na cura da doença. O tecido será produzido em três dimensões (3D), permitindo maior semelhança ao órgão humano.

A iniciativa foi aprovada no edital 07/2020 da Fapesc para fomento de soluções contra a pandemia e seus efeitos. A empresa receberá R$ 95 mil para elaboração do produto, que será desenvolvido em parceria com o Departamento de Biotecnologia da Universidade de São Paulo (USP).

Na prática, a Biocelltis desenvolve um biomaterial que é produzido a partir da ação de bactérias e que permite a multiplicação de células humanas. Essas matrizes serão encaminhadas para São Paulo para que a USP possa semear as células pulmonares. O resultado é a proliferação delas até a criação de um tecido em 3D. Depois da finalização desse processo, que será acompanhado pela equipe catarinense, vem o trâmite para disponibilizar o material para pesquisas envolvendo a Covid-19 e possíveis medicamentos.

Soluções inovadoras contra a Covid-19

Com apoio do Governo do Estado, a Fapesc conseguiu viabilizar R$ 1 milhão em recursos em dois editais para incentivar soluções e pesquisas no combate à pandemia e seus feitos. A produção de tecido pulmonar in vitro é uma das cinco propostas aprovadas na chamada pública destinada às empresas. 

A startup, que hoje desponta no mercado brasileiro de biotecnologia, já é conhecida na Fapesc. No início do ano, a empresa recebeu o Prêmio Inovação Catarinense na categoria Produto Inovador pela produção de pele humana em vitro. 

Confira abaixo o vídeo que explica o trabalho realizado pela Biocelltis:

Notícias Relacionadas