Indústria de portas cede impressora 3D para produção de máscaras para profissionais de saúde

07 de Abril de 2020

Pormade cedeu máquina de impressão 3D para fabricação de suporte de máscaras

 

Em meio ao cenário do coronavírus (COVID-19), atos de solidariedade e preocupação com o próximo têm se destacado em todo o mundo. No momento em que a prevenção é fundamental, a Pormade, maior fabricante de portas do Brasil encontrou uma forma de contribuir com a proteção de profissionais da área da saúde que atuam na linha de frente do combate à doença. A empresa cedeu uma de suas máquinas 3D para a impressão de suportes das máscaras que fazem parte dos EPIs utilizados nos atendimentos.

“Inicialmente, serão produzidos 40 suportes de máscaras que, posteriormente, serão entregues à hospitais da região”, afirma Claudio Zini, diretor-presidente da Pormade Portas. Com 80 anos de mercado, o investimento em ações sociais que promovem o bem-estar, saúde, educação e desenvolvimento da comunidade em que está inserida, já faz parte do DNA da companhia.

“Vivemos um momento delicado e contribuir com essa iniciativa reforça ainda mais o compromisso social que temos não só com nossos colaboradores, mas, com a saúde de todos que vivem e trabalham em nosso entorno”, reforça o executivo.

Parceria com Universidade
A ação acontece em conjunto com alunos e professores dos cursos de Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica e Engenharia de Produção do Centro Universitário Vale do Iguaçu (Uniguaçu), localizada na cidade União da Vitória, interior do Paraná, onde está a sede da empresa. Além da máquina, a Pormade doou também uma boa quantidade da matéria-prima utilizada na produção.

O colaborador da Pormade, João Paulo de Souza, técnico em máquinas e um dos alunos que fazem parte do projeto, é o responsável pela confecção dos suportes. As peças são fabricadas durante o expediente, uma vez que o processo não demanda atenção e cuidado humano. “Utilizamos filamentos de PLA e ABS para a fabricação das armações, um material que possui um custo que varia de R$ 70 a R$ 120 por rolo de 1 quilo, e permite a fabricação de até 35 suportes”, explica.

Segundo ele, o custo final da máscara completa, incluindo as viseiras que serão fabricadas por outras empresas parceiras, é de R$ 10. Para a área da saúde, esse valor chega a ser repassado por empresas privadas a R$ 45. “É extremamente gratificante fazer parte de um projeto como esse. Toda a economia gerada com a doação das máscaras vai possibilitar que os hospitais e casas de saúde direcionam as verbas para outras necessidades urgentes em relação ao atendimento dos enfermos”, afirma o técnico.

A primeira remessa de máscaras já está sendo finalizada e o projeto fez tanto sucesso que outras cidades da região já estão solicitando doações também. Ainda não há data prevista para o encerramento da ação, pois, a produção deve seguir a necessidade e demanda dos profissionais locais, além da disponibilidade dos alunos e professores voluntários, bem como das doações de matérias-primas para novos lotes.