iFood visa eliminar a poluição plástica e a emissão de carbono até 2025

26 de Março de 2021

Projeto Regenera terá um investimento estimado de R$ 100 milhões

Foto de Norma Mortenson no Pexels

O iFood anunciou nesta semana o programa ambientel Regenera, que terá como objetivo eliminar a poluição plástica nos serviços de delivery do app e tornar a foodtech neutra na emissão de carbono até 2025. A estimativa é que a iniciativa tenha um investimento de R$ 100 milhões.

De acordo com o vice-presidente de Pessoas e Soluções Sustentáveis do Ifood, Gustavo Vitti, a ideia surgiu depois que, com a pandemia, a empresa se tornou serviço essencial, ajudando os consumidores a comprarem comida sem precisar sair de casa, além dos entregadores e restaurantes terem renda. "Quando culminou tudo isso, tivemos um clique e vimos que precisávamos fazer alguma coisa. O nosso crescimento tem que andar de mãos dados com o meio ambiente e com a sociedade", disse o executivo.

Então, para reduzir e neutralizar as emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE), por exemplo, o iFood está investindo no uso de veículos não poluentes. Um dos projetos é o iFood Pedal, que em conjunto com a Tembici, oferece planos acessíveis para o aluguel de bicicletas elétricas aos entregadores parceiros. Atualmente, já são cerca de 2 mil cadastrados, compartilhando mil unidades em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Outra parceria é com a montadora Voltz, especializada em motos elétricas. E, para viabilizar e estimular o uso deste tipo de veículo, a foodtech também fechou um contrato com um banco para oferecer uma linha de crédito acessível para os mais de 150 mil entregadores da sua base. Além disso, por meio de um acordo com uma fazenda solar, o iFood fornecerá energia para os restaurantes parceiros. O piloto do projeto será iniciado nos próximos dias com 500 estalecimentos. E, visando fazer a compensação dos poluentes que não conseguir reduzir, a empresa fará reflorestamento e preservação ambiental em parceria com a Moss.Earth.

Já para eliminação do plástico, Vitti explica que a empresa está investindo em inovação. "Vamos desenvolver uma embalagem sustentável que tenha como matéria-prima fontes renováveis. Uma das grandes dificuldade que encontramos é fazer isso em larga escala, mas em três semanas devemos lançar uma parceria com uma grande empresa do Brasil para uma linha de pesquisa nessa área", adianta o executivo.

Em contrapartida, o aplicativo de delivery trabalha o incentivo da redução do material nos consumidores, através de uma ferramenta que dá a opção de não receberem talheres plásticos ou outros itens descartáveis. Apenas nos primeiros meses, os testes registraram 90% de utilização do recurso nos 600 estabelecimentos participantes. A meta é expandir para toda a base - 200 mil restaurantes.

O Regenera também contará com investimentos em reciclagem e na construção de uma central de triagem em São Paulo, com o objetivo de aumentar as taxas de reciclagem na cidade e gerar renda para a população. "Esse é um projeto extremamente ambicioso e inovador. Acreditamos que teremos muito aprendizado no meio do caminho e queremos ter sempre essa conversa aberta com os experts que nos ajudaram no início para saber se estamos no caminho correto, se o que estamos fazendo é suficiente ou se precisamos de algo mais. Nossa relevância e presença na vida das famílias brasileiras reforça ainda mais a importância destes compromissos ambientais para o planeta", finaliza Vitti.

Notícias Relacionadas