Publicidade
Golpe de voz: golpistas usam IA para imitar vozes de pessoas próximas
17 de Julho de 2023

Golpe de voz: golpistas usam IA para imitar vozes de pessoas próximas

Uma mãe caiu em um golpe de voz, nos Estados Unidos, aplicado com IA aonde a sua filha teria sido supostamente sequestrada

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook

 

No Brasil, o golpe de voz, que é o do falso telefonema, já não é novidade, não é mesmo? Porém, os golpistas estão tornando esta cena ainda mais real utilizando inteligência artificial. Neste caso, a voz fica muito mais parecida com parentes próximos.

Publicidade

Isso aconteceu com Jennifer DeStefano, nos Estados Unidos, que atendeu ao telefone que ligava de número desconhecido, no começo de 2023.

Ao começar a conversar, ela ficou assustada porque a voz usada na ligação era igual a da sua filha mais velha, Briana, que pedia para mãe salvá-la dos sequestradores.

Em entrevista à ABC News, DeStefano contou que escutava a filha dizer “Mãe, esses esses homens maus me pegaram. Me ajude. Me ajude. Me ajude”.

Porém, na verdade, a Brianna estava tranquila e sem correr perigo. Os golpistas, com o intuito de tirar dinheiro da família que estava muito assustada, utilizaram de IA para imitar exatamente a voz da menina.

Este fato é apenas um exemplo de coisas alarmantes que podem acontecer com o uso de tecnologias. A Check Point Technologies, que é uma das maiores instituições de segurança cibernética dos Estados Unidos, viu um crescimento significativo neste tipo de golpe em 2022. Para se ter uma ideia, os americanos desembolsaram mais de US$ 10 bilhões em golpes, segundo dados do FBI Internet Crime Complaint Center.

Como foi o golpe de voz

O momento em que Jennifer recebeu a ligação da “suposta” filha, a menina, de 15 anos, estava em viagem para esquiar. Por este motivo, ela não tinha muitas informações naquele momento. Os golpistas chegaram a pedir US$ 1 milhão de resgate.

Durante a ligação, o homem falou para a mãe que estava com a sua filha e que, se ela chamasse a polícia, iria encher a menina de drogas e levá-la até o México. Assim, ela nunca mais iria ver a Briana.

Desesperada, DeStefano entrou em pânico e começou a pedir socorro. Uma pessoa próxima ligou para o 911 (telefone da polícia nos Estados Unidos). Mas ele também percebeu que aquele telefonema poderia não ser verdade e perguntou se ela havia falado diretamente com a filha.

Foi neste momento em que Jennifer conseguiu falar com o seu marido, que estava viajando para esquiar, e teve a confirmação que a sua filha estava ótima.

Especialistas fazem o alerta sobre as postagens nas redes sociais, já que em questão de segundos eles têm informações suficientes para aplicar golpes, inclusive, recriando vozes através de inteligência artificial.

Após o susto Jennifer DeStefano está “trabalhando” para proteger outras famílias de serem vítimas deste tipo de golpe sendo testemunha em uma audiência do subcomitê do Judiciário do Senado sobre IA e direitos humanos que aconteceu em junho deste ano.

Foto: Pixabay

Publicidade
Publicidade