Cientistas estão acelerando a evolução para construir resistência às mudanças climáticas

18 de Julho de 2018

Pesquisadores usam um “simulador de mar” que imita precisamente as condições do oceano

Em uma noite recente de julho, perto de uma pequena ilha na costa de Oahu, um grupo de mergulhadores observava através do brilho dos faróis vermelhos enquanto os corais desovavam, o equivalente ao sexo em grupo. Pequenos óvulos e espermatozóides corriam para cima como bolhas de champanhe, e os mergulhadores-biólogos do Gates Coral Lab e do Instituto de Biologia Marinha do Havaí, usavam redes para capturar alguns deles para levar ao laboratório.

O objetivo
Cruzar espécies que sobreviveram ao recente branqueamento de corais - um processo movido a calor que faz com que os corais expelem suas algas simbióticas, tornando-as brancas e acabem matando-as - para criar espécies que tenham uma chance melhor nas águas mais quentes. 

É um exemplo da chamada evolução assistida - uma tentativa de ajudar as espécies a se adaptarem a um ambiente em mudança mais rapidamente do que provavelmente através da seleção natural. Milhares de quilômetros de distância, na Colúmbia Britânica, pesquisadores estão estudando a genética dos pinheiros para que se possa criar árvores que resistam melhor a uma determinada doença que está aumentando com a mudança climática. Com milhares de outras plantas e animais em risco de extinção - somente na Amazônia, cerca de 34.000 plantas podem estar extintas até o final do século se o planeta aquecer dois graus - é possível que a evolução assistida seja uma abordagem que, eventualmente, possa ser usada mais amplamente.

"Acho que a evolução assistida nos permitirá ganhar algum tempo até que o mundo aborde os gases do efeito estufa na atmosfera e no aquecimento climático", diz Madeleine van Oppen, professora da Universidade de Melbourne que lidera a pesquisa no Instituto Australiano de Ciências Marinhas . onde os pesquisadores usam um “ simulador de mar ” que imita precisamente as condições do oceano em mutação para testar quais corais são mais resistentes.

Corais
São organismos minúsculos que vivem em colônias para construir recifes, enfrentam múltiplas ameaças, da sobrepesca à contaminação da água, mas estão particularmente expostos às emissões de gases do efeito estufa. Aproximadamente 40% das emissões de CO2 causadas pelo homem , ou mais de 170 bilhões de toneladas até agora, acabaram no oceano, tornando-o mais ácido. A acidez pode dificultar a construção de recifes e a dissolução dos recifes . Como a água fica mais quente por causa da mudança climática, isso pode matar os corais. Alguns recifes também podem não crescer tão rapidamente quanto o nível do mar está subindo.

Para ler esta matéria na íntegra em inglês, clique aqui. https://www.fastcompany.com/90188094/scientists-are-speeding-up-evolutio...