ARTIGO -“Não é todo mundo, nem de qualquer área, que precisa se render às dancinhas de Reels/TikTok”

09 de Julho de 2021

Especialista em Comunicação, jornalista comenta sobre o novo posicionamento do Instagram

por Davi Paes e Lima*

 

Me questionaram hoje o que eu estava achando sobre o novo posicionamento do Instagram, que tende a ser uma rede social mais focada em vídeos (cada vez mais curtos!) e compras, algo bem distante da sua origem: fotos.

Bom, a verdade é que soube bem superficialmente sobre o assunto; ainda não pesquisei a fundo sobre os impactos de mais essa mudança, mas uma pergunta que sempre me ocorreu com essas atualizações: esses empresários, diretores e gestores de tais redes sociais, assim como os profissionais das agências que criam as campanhas das marcas e definem em quais mídias investir, não podem desenvolver produtos e estratégias pensando exclusivamente em quem tem entre 10 e 30 anos. Há um GIGANTE universo além disso.

Eu tenho 39 anos e leio jornal (não precisa ser impresso para ser jornal, tá?), revista e acesso – e interajo – diariamente em pelo menos outras TRÊS redes sociais (twitter, facebook e linkedin)... o resumo da ópera é que há canais diversos, em plataformas diversas, para públicos cada vez mais heterogêneos; não entendo a necessidade/urgência dessa “Tiktoktização” do Instagram, de tornar tudo cada vez mais superficial, descartável e rápido.

E mais do que nunca fica aquele lembrete para os produtores de conteúdo e profissionais de marketing: inclua outras redes sociais no seu planejamento – seja de marketing de conteúdo, seja de anúncios –, pois é bem provável que o público, cada vez mais, se divida em diferentes canais. Não dá para ficar apenas se rendendo à todas as atualizações do Instagram, acreditando que seja a única forma de se comunicar com clientes em potencial.

Há um mundo de gente dos 31 aos (pelo menos) 80 anos que consome redes sociais, se informa, passa o conteúdo adiante e que consome bem mais do que aos 11 anos (usando o exemplo da filha de uma amiga, que não desliga do TikTok).

Não é todo mundo, nem de qualquer área, que precisa se render às dancinhas de Reels/TikTok para conseguir transmitir seu conteúdo ou vender seu produto. Não perca a sua essência.

*Davi Paes e Lima é jornalista, especialista em Comunicação e dirige a sua própria assessoria de comunicação, a  Paes e Lima Comunicação.

Notícias Relacionadas