Conheça o perfil dos empreendedores periféricos no Brasil mais afetados pela crise econômica

03 de Agosto de 2020

Levantamento realizado pela coalizão ÉDITODOS revela que 74% não tinham reserva financeira e 46% pretendem recorrer a empréstimos

Gerd Altmann por Pixabay

 

Com a atual crise econômica proporcionada pela pandemia do novo coronavírus, os empreendedores das periferias brasileiras têm sido os mais afetados em seus negócios. Apesar dos auxílios governamentais de liberação de crédito, 74% destes empreendedores já não tinham reserva financeira para enfrentar uma queda de demanda desta proporção e 46% deles pretendem resolver o problema recorrendo a empréstimo de amigos e parentes. Os dados são de um levantamento realizado pela coalizão ÉDITODOS, entre março e abril deste ano, e serviram como ponto de partida para criar a metodologia de implementação do Fundo Emergências Econômicas, que tem como objetivo apoiar 520 empreendedores negros e periféricos em 10 Estados, além do Distrito Federal. 

A aliança está sendo apoiada por importantes atores do empreendedorismo social no Brasil, Agência Solano TrindadeAfrobusiness e Feira Preta (São Paulo), FA.Vela (Belo Horizonte), Instituto Afrolatinas (Distrito Federal)  e Vale do Dendê (Salvador) com grandes marcas apoiadoras como Assaí Atacadista, Fundação Arymax, ICE, Instituto C&A, Itaú-Unibanco, Itaú Social, JP Morgan, Mercado Livre e Semente Oré que, juntos, têm uma base com mais de 1.000 empreendedores, o que permitiu identificar o perfil, as necessidades e os desafios de quem está à frente destes negócios. Confira:

 

Principais desafios

A questão financeira foi de fato a que mais afetou os negócios na periferia brasileira: 62% dos empreendimentos têm como principal desafio a falta de reservas financeiras ou acesso à financiamento. Já as formas de viabilizarem suas vendas e de se comunicarem com seus clientes representam 29% e 7%, respectivamente, dos desafios inerentes à crise. 

 

Estimativas financeiras

Para conseguirem quitar despesas essenciais, como água, energia e alimentação, 33% dos empreendedores precisam de financiamento de R$ 1.001 até R$ 2 mil reais. 

 

Ramo de atividade

A moda e a economia criativa representam, juntas, 36% do volume de negócios destes empreendedores, seguida da gastronomia, com 11%, e dos negócios digitais, com 4%. Os demais negócios são de diferentes áreas de atuação e representam 48%.

 

Região de atuação

A região Sudeste é a que mais abarca estes empreendedores, sendo que 43% deles estão localizados em São Paulo, 11% em Minas Gerais e 5% no Rio de Janeiro. A segunda região mais representada é o Nordeste, com 19% presentes na Bahia e 5% em Pernambuco. Nas regiões Norte, Centro-Oeste e Sul, 7% estão no Distrito Federal e 1% no Maranhão e em Santa Catarina. Nos demais Estados, este volume não chega a 1%.

 

Recorte racial

Em um país em que mais de 50% da população se autodeclara negra, 72% dos empreendedores se dizem pretos, 14% pardos, 11% brancos e 1% indígenas e amarelos. 

 

Formalização dos negócios

Mais da metade desses empreendedores possui seus negócios formalizados, sendo 58% deles, enquanto que apenas 6% possuem apoio de um funcionário para dar conta de todas as demandas de trabalho. Já 73% não contam com o suporte de funcionários e 20% contratam pontualmente ou de forma terceirizada. 

Notícias Relacionadas