Certificação digital é impulsionada pela pandemia

17 de Setembro de 2020

Uso da tecnologia cresceu no Brasil em comparação com 2019; alternativa é eficaz para evitar encontros presenciais

Em meio à pandemia, empresários e empreendedores tiveram de se reinventar e adaptar processos do dia a dia, visando manter a proteção dos seus negócios e também de seus clientes, além de seguir os protocolos de segurança contra o coronavírus.

Com isso, o uso de certificados digitais cresceu no país, sendo uma alternativa para evitar o contato entre pessoas. Dados do Instituto de Tecnologia da Informação (ITI) indicam que até o início de julho deste ano foram emitidos 3 milhões de certificados digitais no Brasil – um aumento de 55,8% comparado com o mesmo período do ano passado.

O certificado digital funciona como uma assinatura digital, sendo possível emiti-lo para diversas funcionalidades e situações, e qualquer pessoa física ou jurídica que esteja com CPF ou CNPJ ativo pode solicitar – basta definir qual modelo é o mais adequado para as atuais necessidades.

Segundo publicação da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), o certificado digital pode ser usado para emitir notas fiscais eletrônicas (NFe), efetuar assinaturas de contratos de vários tipos, realizar a liberação de seguro-desemprego e enviar obrigações contábeis e fiscais, por exemplo.

Dessa forma, os certificados digitais foram e estão sendo grandes aliados para o bom funcionamento e continuidade dos negócios comerciais durante a pandemia. Com as recomendações dos órgãos de saúde sobre distanciamento social, os certificados atuam para suprir essa necessidade, sem exigir das pessoas o deslocamento e a aproximação, mantendo a segurança de indivíduos e informações.

 

A utilização dos certificados digitais no país

No Brasil, o certificado digital A1 e o A3 são os formatos mais comuns. Contudo, há algumas diferenças entre ambos. Com validade de um ano, o certificado A1 é um software, ou seja, fica instalado no computador ou no emissor de notas fiscais da organização. Ele proporciona automação de alguns processos ao usuário, como a emissão de notas fiscais eletrônicas, e oferece a opção de backup – caso aconteça algo com o computador, não há perda dos documentos.

Já o certificado A3 possui validade de até três anos e é um hardware. Isto é, um dispositivo físico que se conecta ao computador, por meio de uma conexão USB, sendo similar a um pen drive. Esse formato traz ampla segurança por não permitir transferência ou cópia para outros dispositivos além da mídia original.

Notícias Relacionadas