Estudante da Univali recebe o prêmio Deca

18 de Novembro de 2019

Gabriela Schmidt Pretzel, aluna do 6º período do curso de Arquitetura e Urbanismo, desenvolveu projeto de habitação sustentável para idosos

O 24º Prêmio Deca premiou Gabriela Schmidt Pretzel, aluna do 6º período do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) na categoria Estudante de Arquitetura com o projeto “Casa Taipa - Habitar sustentável para novos idosos". A cerimônia de premiação aconteceu no dia 12 de novembro, no Auditório Ibirapuera, em São Paulo (SP). 

Gabriela integra a equipe do Núcleo de Concursos de Projeto (NCPro) da Univali, que também foi vencedora deste prêmio, por meio da participação de outros alunos e egressos, em 2016 e 2017 e obteve a 2ª colocação em 2018. Gabriela desenvolveu o projeto sob orientação do professor Eduardo Baptista Lopes, responsável pelo Núcleo.

Com o tema “Novas formas de morar", a acadêmica propôs uma alternativa de habitação com modelo que privilegia a socialização e a economia compartilhada entre os idosos, como uma opção que vai além dos Centros de Idosos. O projeto envolve uma filosofia voltada ao meio ambiente, com estrutura para a prática de atividades que contribuam com a saúde física e mental do usuário. O espaço é apropriado para a alimentação saudável, o cultivo de plantas, conversas e alternativas que mantenham os idosos ativos. “A essência colaborativa e sustentável, atrelada ao conceito de algo que tem qualidade, é durável e atemporal são os eixos desse projeto", explica a estudante.

A Casa Taipa foi configurada a partir da separação de quatro volumes relacionados entre si, com circulação perimetral, enquanto cada bloco possui estrutura independente: cozinha, sala de banho, quartos e estar. No centro da casa há um pátio interno que é potencializado com a inclinação da cobertura dos blocos, permitindo a entrada de luz natural em todos os cômodos. O pátio acomoda um reservatório de águas pluviais para irrigação de uma horta e uso doméstico. No projeto, a horta está localizada estrategicamente próxima à cozinha e permite o cultivo de alimentos para consumo próprio. As paredes de taipa surgem como solução sustentável, de baixo impacto e excelente desempenho térmico e acústico. Elas são projetadas para a frente e implantadas em paralelo, facilitando a relação entre os cômodos e a ventilação cruzada, caracterizando a condição de arquitetura bioclimática. Entre os materiais previstos no projeto destacam-se a madeira de reflorestamento, o revestimento ecológico, o metal e a cerâmica.

Uma comissão técnica de profissionais renomados avaliou os projetos concorrentes. Na análise foram considerados critérios como, adequação ao tema, compreensão dos desafios e necessidades de cada tema, considerando: circulação, economia de recursos naturais, distribuição, ventilação, iluminação, prancha de apresentação e os itens de acessibilidade e uso racional da água.

O concurso premiou os três finalistas da categoria e a aluna da Univali ganhou uma scooter X9.