A queda do jornalismo de algoritmo

27 de Março de 2019

A mudança de critérios do Facebook precipitou a primeira crise da mídia nativa digital em apenas um ano

Redação de BuzzFeed em New York (Drew Angerer / Getty) - Lavanguardia

 

Há pouco mais de um ano, Mark Zuckerberg semeou pânico em muitos meios de comunicação quando anunciou uma mudança no algoritmo do Facebook para priorizar "interações sociais mais significativas" . Os medos eram bem fundamentados. Somente nos EUA foram perdidos mil postos de trabalho até agora em 2019 e, na Espanha, fechou Eslang e delegação de BuzzFeed. E houve 60 demissões no site de notícias playground.br, no que é considerado a primeira crise de meios nativos digitais, que foram atribuídos a renovação do jornalismo tradicional.
 

Internacionalmente, Vice Media dispensou 250 trabalhadores, o Huffington Post cortou 20% do pessoal e Buzzfeed 15% (cerca de 200 funcionários), embora o volume de negócios tenha superado os 300 milhões de dólares em 2018. Não houve nenhuma piedade para jornalistas como Cates Holderness, que lançou um dos mais conhecidos virais - o BuzzFeed. 

Modelo em questão
O resultado final após o ajuste é: se existe um modelo lucrativo para notícias digitais. A mídia on-line nativa agarrou-se aos gigantes tecnológicos e adaptou-se a seus gostos para ganhar audiência, mas ao mesmo tempo eles foram expostos à oscilação dos algoritmos. Não é só o Facebook . O Google também fez duas mudanças significativas em 2018, uma para dar visibilidade aos vídeos nas buscas.

A aposta
"O crescimento não foi planejado ao ritmo dos benefícios e pagamos pelo pato", diz Marcos Chamizo , que foi diretor artístico do canal espanhol do BuzzFeed. As demandas por um rápido retorno sobre o investimento de capital de risco também foram decisivas nesse ambiente.

A PlayGround , no início de 2018, orgulhou-se de ser o meio de língua espanhola com o maior número de visualizações do Facebook. Em fevereiro deste ano, ele demitiu 50% de sua equipe. "Facebook nos criou e depois nos afundou", admite uma posição intermediária que prefere permanecer anônima. "Mas não foi o único problema, houve também uma má gestão", acrescenta.
 

============================================
"O Facebook vê a mídia como clientes e concorrentes; é uma aliança antinatural "
Ferran Lalueza - Professor na UOC

============================================
 

Para ler a matéria completa em espanhol, clique aqui