Posição Oficial da RBS sobre comentários de jornalistas enaltecendo assaltantes de Criciúma

04 de Dezembro de 2020

Quatro patrocinadores cancelaram contratos com a Rádio Gaúcha após Kelly Matos e David Coimbra fazerem piadas sobre assalto em Criciúma

 

ZEZÉ BISCOITOS - COOPERATIVA SANTA CLARA - SEBRAE e UNICRED cancelaram patrocínio 

 

"Os bandidos foram organizados e tiveram método. Mais do que isso, eles tiveram respeito pelo cidadão”. Assim começou o diálogo do jornalista David Coimbra com sua colega Kelly Matos sobre o assalto que assombrou a população de Criciúma na madrugada do dia 2 de dezembro. Kelly Matos, logo em seguida saiu-se com esta frase “o crime não é roubar banco, é fundar um banco”. 

 

Ouça os comentários
Para ouvir o áudio com os comentários dos jornalistas da Rádio Gaúcha no programa Time Line do dia 2 de dezembro, clique aqui

 

Jornalistas se pronunciam
A repercussão do programa foi ampla nas principais redes sociais. Anunciantes cancelaram contratos de publicidade e marcas locais publicaram notas de repúdio ao comportamento dos jornalistas que, no dia seguinte usaram o mesmo espaço para explicar qual foi a intenção de seus comentários. Ouça a seguir:

 

Anunciantes
A reação imediata, segundo publicado em alguns canais, de um dos patrocinadores do Time Line, a Unicred - instituição bancária - foi o cancelamento do contrato de publicidade com a emissora do Grupo RBS. Outras três marcas publicaram protestos nas redes sociais, condenando o comportamento dos jornalistas (veja imagens mais abaixo) e anunciaram cancelamento de patrocínios ao programa. O AcontecendoAqui consultou a RBS sobre os cancelamentos e recebeu um comunicado, que mostramos abaixo, e como resposta veio a informação da empresa a respeito do assunto é exclusivamente o texto do comunicado.

 

Unicred
O seguinte texto é atribuído à Unicred: "Diante da repercussão negativa sobre o conteúdo divulgado no programa Time Line, da Rádio Gaúcha, exibido em 02/12, onde os jornalistas Kelly Matos e David Coimbra comentam os fatos do assalto a uma agência do Banco do Brasil, definimos rescindir o contrato de patrocínio, que deve cumprir o aviso prévio de 30 dias a partir da data do cancelamento. A Unicred respeita a liberdade de imprensa e o trabalho realizado pelos jornalistas e pela RBS, no entanto não compactua com os comentários realizados a respeito dos bancos e assaltantes."

 

Posição do Grupo RBS
A respeito de manifestação feita pelo comunicador David Coimbra, no programa Timeline da última quarta-feira (2), sobre o assalto em Criciúma (SC), o Grupo RBS informa que não houve intenção de minimizar a gravidade da ação criminosa e de ofender as empresas, os cidadãos e os policiais que foram feridos. O comunicador se retratou no ar nessa quinta-feira (3). A RBS pede desculpas pelo ocorrido e afirma seu respeito às instituições financeiras e às forças policiais, assim como a todas as pessoas atingidas pelo lamentável episódio. A linha editorial da RBS nos assuntos de segurança busca auxiliar cidadãos e empresas a se protegerem e valoriza as forças policiais na defesa da lei e da sociedade. A empresa tem como princípio estar aberta às críticas e aos questionamentos de todos, para ouvir suas percepções sobre todo e qualquer tema e estabelecer uma relação constante de diálogo e respeito. Essa atitude será reforçada nos próximos dias com diversos setores da sociedade com o propósito de aperfeiçoar o seu jornalismo responsável e independente.

 

 

 

Notícias Relacionadas