ARTIGO | Todas as notícias são globais

18 de Fevereiro de 2020

Jornalistas de todo o mundo estão enfrentando os mesmos problemas no mesmo momento, de maneiras surpreendentemente semelhantes

 

por Kyle Pope*

 

O jornalismo sempre teve uma tendência bairrista. Os jornalistas tendem a se concentrar na história, na batida, apenas naquilo que estão cobrindo, na própria editoria; a noticiabilidade depende dos estreitos interesses de uma comunidade. De certa forma, a Internet nos tirou de nossas esferas isoladas e ofereceu o potencial de aumentar enormemente nosso público, mas para a maioria dos meios de comunicação, essa expansão não ocorreu. As notícias permaneceram em grande parte locais - ou pelo menos pretenderam permanecer assim à luz de ameaças econômicas brutais.

Mas as coisas estão mudando. Enfrentamos, ao mesmo tempo, a rápida disseminação da desinformação baseada na tecnologia; a ascensão do autoritarismo como resposta ao agravamento da desigualdade de renda; e o medo crescente de mudanças demográficas em países ao redor do mundo. A imprensa foi encarregada de cobrir essas histórias e foi apanhada em suas redes.

A proliferação de desinformação tem sido particularmente transformadora. Nos meses nebulosos após a eleição de Donald Trump para a Casa Branca em 2016, um dos fatos surpreendentes com que os jornalistas tiveram que lidar (e havia muitos) foi que a Rússia atacou os Estados Unidos com histórias falsas e enganosas em um tentativa de ajudar Trump a vencer. A idéia parecia distópica, e era: hackers russos em fábricas de conteúdo inundaram as mídias sociais, principalmente o Facebook, com inverdades destinadas a semear desordem no eleitorado americano - direcionando os eleitores à Trump, que jogavam com angústia e intolerância - e desacreditar o jornalismo legítimo. 

Como vimos a desinformação metastatizar, 
o jornalismo real foi arrastado para o caos.

Usando as mesmas vias de mídia social das quais as principais organizações de notícias passaram a depender (em grave erro), a campanha de desinformação russa conseguiu manchar a todos nós. Fraude e fatos misturados. Confiança nos meios de comunicação erodidos. Trump gritou "Fake news!" e os americanos viram confusão em seus computadores. Às vezes, os leitores encontravam notícias legítimas que Trump tentou desacreditar porque não gostava de como aquilo o fazia parecer; outras vezes, eles descobriram que o enquadramento intencional da informação distorcia a verdade; em muitas ocasiões, eles descobriram o que era simplesmente um absurdo.

Como vimos a desinformação metastizar em todo o mundo, o jornalismo real foi arrastado para o caos. Vimos isso em Mianmar e no Brasil, Sri Lanka e Nova Zelândia, às vezes em campanhas orquestradas que exibem as impressões digitais de atores estatais, às vezes em manifestos pontuais de mentes perturbadas. O resultado é sempre o mesmo: relatos falsos envenenam as próprias plataformas que abrigam o jornalismo real. Ninguém na imprensa está seguro de ver seu trabalho sério e diligente exibido no meio do destroço.

Os jornalistas estavam começando a lidar com o escopo desse problema quando chegou a notícia de que Jamal Khashoggi, colunista saudita do The Washington Post , havia sido seqüestrado e assassinado na embaixada turca de seu país. Khashoggi era um jornalista sério - profundamente atencioso, compassivo, de mente aberta. Ele lamentou a maldição dos governos que exercem controle local por meio de desinformação e censura. Em resposta à sua morte - e sua queixa - Trump revirou os olhos. Os detalhes do assassinato de Khashoggi continuam inexplicáveis, apesar dos melhores esforços de seus colegas do Post para levar seus assassinos à justiça. 

Que repórter em qualquer lugar é seguro? Nosso paroquialismo agora parece singular, uma relíquia de uma época em que os autocratas não estavam armando informações que poderiam ser disseminadas pela Internet em alta velocidade, para grande lucro das empresas do Vale do Silício. Ainda podemos manter o nariz pressionado contra as telas dos computadores, mantendo o foco em nosso trabalho, mas de vez em quando não temos escolha a não ser sentar e reconhecer que somos parte do mundo ao nosso redor.

Aqui estão as boas notícias: o jornalismo sempre foi uma tribo, e acontece que nossa tribo é muito maior do que poderíamos pensar. Todos os ataques e desafios que os repórteres enfrentam estão nos unindo. Então, quando Maria Ressa, fundadora do site de notícias Rappler, é ameaçada e detida por suas reportagens corajosas nas Filipinas, sua voz se torna um grito de guerra para a nossa indústria. Quando Wa Lone e Kyaw Soe Oo, dois repórteres da Reuters, são presos por seu trabalho em Mianmar, seus nomes se tornam uma hashtag para os negócios da mídia e acabam sendo libertados. E quando um grupo de dedicados jornalistas trabalhando no The Capital Gazette foi morto a tiros em sua redação, em Maryland, jornalistas de todo o mundo ofereceram ajuda. Nossa fraternidade, que se estende de um canto da terra ao outro, está mais forte do que nunca.

É animador saber que, na hora de enfrentar os maiores desafios à nossa frente, não estamos sós. Sozinhos, é fácil nos deixarmos abater pelas ameaças à nossa profissão, pelo fim do jornalismo local, pela toxicidade das mídias sociais, pelo avanço dolorosamente  lento rumo à  diversidade e à igualdade da mulher. Mas o que descobrimos, ao compilar esta edição da CJR dedicada ao jornalismo global, é que jornalistas de todo o mundo estão enfrentando os mesmos problemas no mesmo momento, de maneiras surpreendentemente semelhantes. 

Todas as notícias são locais, como sabemos. Ao ler esta edição, vocês podem ficar aterrorizados com a escala de nossas preocupações comuns, e também encorajados pelo fato de haver tantas pessoas talentosas dedicadas a superá-las, em um vasto esforço global. Isso aumenta as chances de todos nós, juntos, encontrarmos a saída do caos.

 

Kyle Pope, Editor e Publisher do Columbia Journalism Review  - @kylepope
 

Ilustração do New Studio