Coluna Jaime De Paula | Tecnologia, ESG e negócios de impacto

22 de Setembro de 2021

Método para classificar empresas e instituições que geram impactos positivos nos campos socioambiental e financeiro.

 

Empreendimentos disruptivos, cujos gestores enxergam além do lucro e conseguem vislumbrar toda a cadeia impactada pelo seu negócio. Empreendedores que sabem que o que acontece no entorno também interferem nos seus resultados. Pessoas e tecnologias que trabalham de forma a acelerar a solução de problemas.

 

Todos estes conceitos servem para explicar o ESG - Environment, Social and corporate Governance, termo pomposo do mercado para classificar empresas e instituições que geram impactos positivos nos campos socioambiental e financeiro.

 

Na prática, é o que acontece quando boa vontade, propósito, gestão eficiente e tecnologia se encontram. E não é preciso ir longe para ver o resultado. Em Florianópolis, temos hoje uma ilha cercada por empresas de tecnologia por todos os lados, grande potencial turístico, com enorme demanda de mão de obra, mas com uma legião de jovens afogados no despreparo e no desemprego. Por outro lado, temos também os botes de salvamento que são lançados por algumas iniciativas do poder público mas, principalmente, por organizações como o IVG - Instituto Padre Vilson Groh, do qual tenho a felicidade e a honra de fazer parte.

 

O IVG tem uma governança ímpar, de primeiro mundo, que vi em poucas organizações. E é, sem dúvida, um empreendimento de impacto. Hoje atende mais de 6 mil crianças e jovens em seus projetos. E vislumbra preparar toda essa força criativa para um mercado de tecnologia, turismo, serviços por meio do projeto Pode Crer. Ensinar a empreender é o objetivo principal.

 

Nesse universo de crianças atendidas, vejo algumas que foram tiradas de casa por sofrerem maus tratos dos próprios pais. E que nos projetos sociais são acolhidas, incluídas, recebem oportunidades, superam as dificuldades e devolvem tudo isso em dobro à sociedade. Isso se transmite nas ideias que surgem desses pequenos pensadores. Mesmo que não tenham capacidade de estruturar seus projetos com português impecável ou projeções matemáticas, elas já enxergam a cadeia impactada por cada ação.

 

O que elas precisam é de mais estrutura e oportunidades para deslanchar e conseguir dar sua contribuição para uma cidade mais inteligente e inclusiva. Os centros de inovação projetados pelo Pode Crer são esse trampolim. Pensados com o que há de mais moderno para favorecer a criatividade, esses centros serão verdadeiras usinas de negócios de impacto para Florianópolis.

 

Mas é preciso envolvimento dos que já estão estruturados para contribuir. Já temos adesões importantíssimas de empresários que amam a nossa cidade e que são visionários, mas vamos precisar de muito mais: materiais de construção, empresas parceiras para ensino de idiomas, de empreendedorismo, Anjos e aceleradoras.

 

Somos nós que temos que fomentar o potencial reprimido nas nossas periferias. Eles não chegam até nós. Se não construirmos pontes, como insiste em todas as suas falas o incansável Padre Vilson, seguiremos ilhados em nossos empreendimentos pouco impactantes e assistiremos ao colapso de mão de obra enquanto tantos estão sem trabalho. A pandemia veio para escancarar os abismos sociais e abrir nossos olhos. Já vimos o que pode acontecer. Agora precisamos agir.

 

Obrigado pela leitura e até a próxima!

 

Se você se interessa pelo tema, saiba mais aqui
 

E aqui tem um teaser do Pode Crer

 

#ESG #negociosdeimpacto #podecrer #projetosocial #jaimedepaula #floripa #viversc #investidorAnjo #IVG #tecnologia #IA #ML

Jaime De Paula

  • imagem de jaime
    Jaime de Paula é empreendedor de tecnologia, engenheiro, PHD em Inteligência Artificial (UFSC), cursando pos-doc na Univalli, também em IA. Iniciou como executivo de grandes empresas como a BRFoods até fundar a Paradigma e depois a Neoway, onde foi CEO até junho de 2019. Mentor Endeavor e Darwin, investe em mais de 20 startups do ecossistema catarinense de tecnologia. Participa ativamente de projetos sociais como o IVG – Instituto Vilson Groh (que cuida de mais de 5000 crianças diariamente), entidade da qual é fundador convidado pelo Padre Vilson Groh. Apoia também os projetos Superando Barreiras, que oferece aulas gratuitas de jiu-jítsu para jovens e crianças em vulnerabilidade social, e o Mama Solidária, que oportuniza cirurgias de reconstrução mamária a pacientes vítimas de câncer. Acompanhe Jaime pelo LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/jaimedepaula

Notícias Relacionadas