Publicidade
Quer criar uma vida profissional de sucesso na Austrália?
16 de Setembro de 2023

Quer criar uma vida profissional de sucesso na Austrália?

Descubra as incríveis dicas de Marcia Percival, especialista em carreira diretamente de Sydney.

Publicidade
Por Prof Jonny 16 de Setembro de 2023 | Atualizado 21 de Setembro de 2023

Marcia Percival tem formação em Design e Marketing, mora na Austrália há mais de 30 anos. Ela se apresenta como uma líder, estrategista e altamente motivada com habilidades interpessoais e de networking. Gosta de assumir riscos e adora desenvolver profissionais para alcançar suas carreiras internacionais. Ela atua na produção de vídeos instrutivos e divertidos na internet para inspirar e ajudar as pessoas a terem uma vida melhor. Como mentora de carreira, Marcia já ensinou milhares de pessoas a realizar seus sonhos de morar no exterior e desenvolver suas carreiras com sucesso por meio de meus cursos online, apenas no Instagram, seu perfil conta com mais de 180 mil seguidores. Nesta entrevista, ela compartilha sua expertise e insights direto de Sydney, na Austrália.

 

Publicidade

Agradeço muito por sua disposição em contribuir com nossa coluna sobre carreira. Sabemos que em muito nossas trajetórias são influenciadas diretamente pelas decisões. Como você se tornou especialista em estratégia e mentora de carreira para imigrantes? Quais foram as principais decisões no início de sua carreira que lhe levaram a atuar nesta atividade?

O prazer é meu e muito obrigada pelo convite, é um prazer poder compartilhar meu conhecimento com seus leitores. Eu vivo na Austrália desde 1998 aqui cheguei como estudante aos meus 26 anos e ali eu passei por todas as etapas de alguém que chega na Austrália sem inglês e precisa começar a vida do zero, inclusive trabalhando em trabalhos de sobrevivência. Porém eu demorei 2 meses para consegui meu primeiro emprego pois não sabia como fazer um currículo internacional. Conheci um australiano e começamos a namorar (se tornou meu marido) e ele me ensinou como era diferente o currículo e entrevistas em comparação com os do Brasil.

Quando apliquei o que ele me ensinou passei na primeira entrevista e tive um emprego ótimo mesmo com um inglês ruim. Eu era promotora dos perfumes da Cartie no aeroporto internacional de Sydney.
De estudante em menos de um ano eu já estava empreendendo, pois a Austrália permite que os portadores do visto de estudante trabalhem e empreendam legalmente. E com isso eu abri uma mini escola de dança de salão que cresceu muito rápido. Virei empresária do mundo de festivais de danças a partir de 2003 e tive muito sucesso com o Sydney Latin Festival e o Australian Dance Festival e com isso comecei a contratar australianos para trabalhar comigo e eu usava o método do meu marido para contratá-los, e neste período também contratei muitos imigrantes especialmente Brasileiros, que quando chegavam no meu escritório cometiam os mesmos erros que eu cometia quando cheguei aqui. Com isso pensei que seria uma boa eu ensinar os brasileiros a conquistarem suas carreiras e empregos dignos no exterior através do conhecimento que eu adquiri para facilitar a caminhada deles aqui. Porem eu só fui criar meu método em 2018, pois minhas empresas desde 1999 até 2014 iam muito bem e o foco era no público australiano, então fui estudar sobre liderança, teologia e carreira internacional e meu coração começou a mudar e eu queria ajudar os brasileiros a conquistarem uma vida de sucesso aqui e foi assim que tudo surgiu.
Foto: Linkedin

 

Com tantos países como opção para emigrar, por que e como foi sua opção pela Austrália? Esta escolha foi algo predefinido ainda durante sua formação ou surgiu depois? Nos conte um pouco sobre este processo.

Eu tinha uma check list:
1- queria um país de língua inglesa para estudar inglês;
2- queria um país aberto para legalizar imigrantes que desejasse permanecer no país;
3 – queria um país com oportunidades de ganhar muito bem, pois eu venho de uma família pobre e de pais semi analfabetos e buscar uma vida de sucesso era uma prioridade para mim também.
Foi quando conversando com meu irmão, um viajante do mundo, e ele me disse: a Austrália é o lugar perfeito pra você. E eu quase fui pro… Canadá, e eu detesto frio, graças a Deus meu irmão me salvou. Vendi um carrinho que eu tinha, pedi demissão no meu emprego, juntei todo esse dinheiro e investi tudo neste intercâmbio, e eu não podia dar errado, pois não havia a chance de pedir ajuda pros meus pais. Era tudo ou nada, e graças a Deus deu tudo certo.

 

Uma das atividades de destaque em seu perfil foi a fundação do Sydney Latin Festival, em 2003. Como a experiência adquirida como cofundadora e diretora executiva deste festival influenciou o seu trabalho atual como estrategista de carreira?

Estes foram os meus melhores investimentos como empresária na Austrália. Amei trabalhar com eventos. E os festivais para milhares de pessoas me ensinaram muito sobre contratar os profissionais certos para serem líderes de grupos.
Nos festivais, tínhamos muitas vezes entre 80-100 voluntários, e todos precisavam ser treinados. E com isso nós ficávamos horas olhando currículos para selecionar os gerentes de cada área do festival. Entrevistávamos muitas pessoas e com isso eu fui ficando cada dia mais afiada em reconhecer como um profissional deveria se apresentar e se tornar atraente para um cargo.
Foram 11 anos somente com os festivais e 14 anos com a escolha de dança. Foi muito chato de fábrica na prática que me ensinou muito sobre ser estrategista de carreia para imigrantes.

 

Quais são os principais desafios que os imigrantes enfrentam ao desenvolver suas carreiras no exterior e como você os auxilia nesse processo? Existem algumas peculiaridades relacionadas à Austrália, quando comparamos com América do Norte ou Europa, para emigrar? Se sim, quais seriam estas?

Sim, este aqui seria o check list dos desafios mais comuns:
1- Não entendem as reais oportunidades que a Austrália dá para os imigrantes
2- Não internacionalizam seu perfil profissional. Traduzir currículo não é internacionalização de carreira.
3- Não estudam para responder as perguntas nas entrevistas. No exterior, as perguntas tradicionais são as mesmas em todas entrevistas, somente as perguntas técnicas que variam.
4- Não entendem que existe uma adaptação à cultura de recrutamento diferente do Brasil.
5- Não gostam de contratar profissionais para ensiná-los sobre carreira internacional.
6- Cansam de levar nãos e acabam desistindo antes mesmo de tentar da forma correta
Eu ensino sobre as oportunidades, como se internacionalizarem, praticar as respostas das entrevistas e ensino muito sobre cultura e comportamento no trabalho internacional.

 

Como você usa suas habilidades de comunicação e storytelling para inspirar e ajudar as pessoas a viverem vidas melhores? Como seu programa de mentoria tem ajudado migrantes a desenvolver suas carreiras internacionais? Você poderia compartilhar algum caso de sucesso?

As histórias de vida precisam se conectar para meus alunos sentirem firmeza para aprenderem o novo, existe também muita cultura vira-lata, muita falta de informações, muita desconfiança, muita crença limitante que vários brasileiros carregam devido à bagagem que trazem do Brasil.
E quando eu provo para meus seguidores através dos sites oficiais e principalmente através das centenas de alunos meus que estão nas suas carreiras através do meu método aqui na Austrália eles conseguem ver que existe um caminho.
Tenho muitas histórias no instagram e entrevistas completas do youtube com mais de 60 alunos onde eles contam como foi a jornada de transformação mental e profissional deles durante a mentoria.
Muitos dizem que não é uma mentoria mas uma transformação de vida onde eles estão vivendo algo que aconteceu muito rápido e que foi devido a eles buscarem o conhecimento, aplicar o método e se adaptarem a cultura nova.
Tenho enfermeira que na primeira entrevista com inglês básico conseguiu emprego numa empresa se assistente de enfermeira, ganhando $35 dólares a hora. Em pouco tempo, ela pôde validar sua profissão e ir para novas entrevistas com um inglês melhor e se tornar uma enfermeira aqui ganhando o dobro.
Tenho aluno dentista, ficou 2 meses na faxina, inglês ruim, porém não desistiu e continuou aplicando para trabalhos de assistente de dentista mesmos sem inglês, depois de vários nãos o sim veio e com 2 meses de Austrália ele conseguiu seu primeiro emprego na área ganhando $30 por hora como assistente de dentista, no mesmo caso da enfermeira, agora ele precisa melhorar o inglês, validar a profissão e seguir seu caminho.
Tenho muitos e muitos testemunhos fortes, meu aluno eletricista conseguiu um emprego em 7 dias depois de 1 ano e 3 meses conseguiu a residência permanente, tenho arquitetos, engenheiros de produção, civil, mecânico, todos na suas áreas.
Tenho especialista em marketing, biólogos, cabeleireira, meus Deus são tantos que nem vou lembrar, mas é super possível, porém precisa se dedicar na mentoria, pois vale muito a pena.

 

Sabemos do impacto que as novas tecnologias estão tendo no mundo do trabalho. Neste sentido, quais são algumas tendências recentes em tecnologia que você acredita que terão um impacto significativo nas carreiras internacionais?

O ChatGPT com certeza está ajudando muito meus alunos a acelerarem os conteúdos em inglês no linkedin, entrevistas e curriculum. Então eu estou amando.
O chatGPT ajuda muito meus alunos profissionais a facilitarem seus trabalhos e terem uma comunicação escrita impecável com seu time. Facilitou muito.
Na questão das profissões, eu acredito que hoje teremos muito mais demanda do que antes, pois todas profissões precisam de tecnologia e cada dia novas profissões são criadas por causa da velocidade em que o mundo vive hoje, porém nunca poderemos perder o toque humano em tudo.
Sempre buscaremos ter o aquecimento humano e a inteligência humana que não pode ser jamais substituída.

 

Como você utiliza seus diferentes canais nas mídias sociais para criar conteúdo relevante sobre carreiras e estilo de vida na Austrália para migrantes? Você poderia dar exemplos de diferentes estratégias de acordo com cada canal utilizado?

Eu não faço nada sozinha, temos um time incrível de 12 profissionais excelentes e meus sócios que também são a base deste “dream Team”. Inclusive contratamos muitos dos nossos alunos.
Somente na área de conteúdo nós temos uma equipe de 5 pessoas e eu, onde quinzenalmente temos reuniões e decidimos quais conteúdos são relevantes para cada mídia social. Eu amo essa equipe, são todos muito criativos e dedicados e eles amam o nosso projeto de transformar a vida profissional dos imigrantes, e tudo que eles fazem, eu vejo amor e dedicação.
Jamais seria quem sou, ou alcançaria tantas pessoas sem esse time, eu vibro com tudo que eles fazem, pois sou grata demais a todos eles.
Cada um tem sua enorme importância, não só na empresa mas na minha vida pessoal também, tenho amor por eles.
No youtube colocamos conteúdos mais densos e com ensinamentos mais longos.
No instagram os conteúdos são bem curtos e de fácil digestão.
Nos stories eu faço o que dá vontade, 😂😂😂😂😂
Mas meu trabalho maior é focado em gravações todos os dias, aulas online ao vivo semanais com meus alunos e eu respondo todos meus alunos todos os dias em todas suas dúvidas das aulas. Meu foco sempre é dar aula e cuidar dos meus alunos.

 

Você gostaria de elaborar sobre algum ponto relevante não explorado acima? Qual seria sua mensagem final para esta entrevista?

Eu gostaria de agradecer por esta oportunidade e dizer aqui que se você quer mudar de vida, você precisa aprender algo novo e fazer o que precisa ser feito por esta mudança.
Sair da zona de conforto não é prazeroso, mas o foco precisa ser sempre no médio e longo prazo, larguem a ansiedade de querer tudo para agora, e busquem ter prazer em cuidar de tudo dentro de um processo, tudo que é bom precisa do tempo certo, a rapidez só aumenta a ansiedade. Ame o processo, curta a jornada assim você terá muito mais chances de ter sucesso em tudo que fizer. Deus abençoe vocês todos e mais vez obrigada pela oportunidade de compartilhar minha história.


Lições de carreira

Ao encerrar nossa entrevista com Marcia Percival, fica evidente sua paixão e dedicação em ajudar migrantes a desenvolverem suas carreiras internacionais. Seu compromisso em fornecer estratégias, orientações práticas e apoio emocional é verdadeiramente inspirador. Com sua vasta experiência, expertise e abordagem sistêmica, Marcia continua a fazer a diferença na vida de milhares de pessoas que buscam realizar seus sonhos profissionais no exterior.
Espero que estes insights fornecidos possam ser úteis em sua carreira, e quem sabe até abrindo portas em outras praias.

Grato pela leitura. Nos encontramos no próximo!

Abraço, Jonny

Publicidade
Publicidade