Coluna Ozinil Martins | Sustentabilidade é fundamental

17 de Setembro de 2019

Por meio de nossas ações podemos encontrar o que tanto buscamos: qualidade de vida!

Em tempo de agressão ao meio ambiente há notícias que fazem a esperança ser renovada. O novo aeroporto de Florianópolis, que será inaugurado em outubro, será equipado com tanques capazes de armazenar 300 mil litros de água da chuva. Esta água será usada para irrigar jardins, na limpeza em geral e nos sanitários. Importante ressaltar que já há, em alguns municípios do Estado, legislação que obriga a construção de reservatórios para a captação da água da chuva a partir de determinada metragem dos imóveis. Esta água, além de ser útil para a realização de diversos serviços, contribui para evitar, em caso de chuvas intensas, o comprometimento da rede de captação e de possíveis alagamentos. Como as eleições municipais de 2020 se aproximam seria oportuno que, ao montar seus planos de governo, os candidatos tratassem com carinho da água, este precioso elemento a que só se valoriza quando falta. Ações como esta conduzem ao que as pessoas buscam: qualidade de vida!

Brasil e o Ensino Superior

Não deve ser novidade para as pessoas esclarecidas o que foi divulgado na última terça feira pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) através do relatório “Education at Glance.” O Brasil tem uma das menores taxas entre 44 países analisados em relação à população com Ensino Superior. Segundo o estudo realizado apenas 21% dos jovens com idade entre 25 e 34 anos têm estudo superior. Apenas China, Índia, Indonésia e África do Sul estão em situação mais vulnerável que o Brasil. Entre os países da América Latina carregamos a lanterna, como o pior dos países analisados. O país com a mais alta taxa de jovens na faixa etária pesquisada é a Coréia do Sul onde 70% dos jovens têm curso superior. As consequências da baixa qualidade do ensino, em todos os níveis, da precarização do ensino à distância, da não massificação do ensino técnico, das pesquisas voltadas para o campo das humanas em detrimento das pesquisas aplicadas, conduz o país a um beco sem saída, sendo um eterno comprador de tecnologias desenvolvidas em outros países. E, tem Universidades posicionando-se contra o programa Future-se (que está em fase de consultas) com medo da perda da autonomia universitária. Afinal, se o sistema está satisfeito com o que está produzindo, que se mantenha assim. Dá para entender porque o país encontra-se onde está!

Seguindo o dinheiro

O Ministro da Justiça, Sérgio Moro, enquanto juiz defendia argumentos no sentido de que o crime organizado só seria vencido pelo sufocamento de suas finanças. Desde que assumiu o cargo ministerial esta tem sido a estratégia usada para o combate efetivo ao crime organizado. Com o entranhamento do crime nos altos escalões políticos o caminho a ser adotado não teria sucesso se outro fosse. Nunca se apreendeu tanta droga, em estradas e aeroportos do país, como agora; nunca se recuperou tanto dinheiro, subtraído, principalmente de empresas estatais, como está acontecendo. Este combate diuturno ao crime organizado leva a exaustão de suas finanças e à perda de seu poder de corromper. Recentemente a Câmara Federal aprovou, sem grandes trâmites, o aumento do Fundo Eleitoral e incluiu entre alguns artigos da lei a possibilidade de usar o dinheiro do fundo para pagar a defesa dos políticos acusados de corrupção e outros crimes. Será isso efeito da falta de irrigação proporcionada pelo dinheiro ilegalmente obtido? Esta semana o Senado analisará o projeto já aprovado na Câmara. Tomará que o bom senso prevaleça e ele seja rejeitado. Que o Ministro não se canse de malhar o ferro, em algum momento ele se moldará aos costumes de honestidade e probidade, que nunca deveriam ter sido abandonados. 
 

Prof. Ozinil Martins de Souza

  • imagem de ozinil
    Possui graduação em Geografia pela Fundação Universitária Regional de Joinville e pós-graduação em Educação pelo Instituto Catarinense de Pós-Graduação. Tem forte experiência na área de Administração de Recursos Humanos, Negociação Sindical, Consultoria Empresarial e Empreendedorismo e atua na área acadêmica.