Coluna Ozinil Martins | O Agronegócio incomoda muita gente!

07 de Julho de 2021

"O crescimento do país, nos últimos anos, tem dependido da força do moderno agronegócio brasileiro e de seus empresários."

Foto de Olga Lioncat no Pexels

O agronegócio tem se mostrado como a área mais competente e competitiva na obtenção de resultados financeiros para o Brasil. Entra ano, sai ano e, a análise da balança comercial brasileira mostra a excelência de resultados obtidos. Mesmo em plena pandemia os resultados obtidos mostram a força do setor em comparação com as áreas industrial e de serviços. Além deste aspecto deve-se considerar a capacidade de modernização e inovação por que tem passado o agronegócio; o crescimento do país, nos últimos anos, tem dependido da força do moderno agronegócio brasileiro e de seus empresários. 

Importante salientar que o agronegócio brasileiro alimenta hoje 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo, além de garantir a alimentação dos brasileiros. Pois bem, este sucesso parece incomodar muita gente por este país-continente. A Universidade Federal de Santa Catarina está divulgando a realização de um curso de extensão que visa promover o “enfrentamento ao agronegócio,” O curso, conjunto de palestras de membros do MST, será organizado com a ajuda de profissionais da Universidade e visa a formação de professores para atingir o maior número de pessoas possível. Dinheiro público sendo aplicado para treinar pessoas para destruir o negócio que mais gera dinheiro aos cofres públicos. Só a ideologia equivocada para permitir este tipo de estupidez.

O segundo episódio patrocinado pela ideologia equivocada refere-se à ação interposta pelo PT no STF contra o decreto do governador de Santa Catarina que proíbe a linguagem neutra nas escolas do estado. Será que partidos políticos não têm nada mais importante a se dedicar? Afinal o país não tem desemprego, não há pessoas passando fome, os moradores de rua não existem e a qualidade de nossas escolas é fantástica, com nossas crianças falando um português perfeito, tanto que lhes permite aprender a linguagem neutra, tal a competência dos professores em ensinar e dos alunos em aprender.

Impressiona a quantidade de ações patrocinadas por partidos políticos que, quando contrariados com as derrotas em eleições no congresso, recorrem à Justiça para tentar derrubar estas decisões. Esquecem que a vontade da maioria prevalece e que isto faz parte do jogo democrático. A tentativa de destruir tudo que foi estabelecido ao longo da vida do país visando atender aos interesses de minorias que, a cada dia que passa, mostram mais sua agressividade, não pode prosperar. A democracia que interessa ao povo brasileiro não é a praticada em países como Cuba, Venezuela e Argentina. Respeitar os direitos das minorias é necessário; aceitar suas verdades como as verdades da maioria é imposição e não pode ser aceita em nenhuma hipótese. 

Mudar a história, defenestrar escritores, trocar nome de ruas e derrubar estátuas só condizem com o viés autoritário que o regime que tentam impor de qualquer forma em países das Américas só conduzirá ao atraso e a pobreza de suas populações. Será tão difícil analisar os exemplos que a história apresenta? Será esta a razão para apagar a história? Bom ficar atentos, pois a tentativa de implantação de uma ideologia que não condiz com respeito ao ser humano, desenvolvimento tecnológico e social não faz parte da agenda destes partidos. 

Prof. Ozinil Martins de Souza

  • imagem de ozinil
    Possui graduação em Geografia pela Fundação Universitária Regional de Joinville e pós-graduação em Educação pelo Instituto Catarinense de Pós-Graduação. Tem forte experiência na área de Administração de Recursos Humanos, Negociação Sindical, Consultoria Empresarial e Empreendedorismo e atua na área acadêmica.

Notícias Relacionadas