Coluna Ozinil Martins | Educação: chave para criar um país competitivo!

29 de Dezembro de 2020

“Não é possível confundir o princípio democrático de dar educação a todos com dar a mesma educação a todos!”

Imagem pikisuperstar by Freepik
​​​​​​​

A descoberta de que a educação é a revolução silenciosa que muda o perfil de países teve sua origem recente em países orientais, primeiro o Japão e depois a Coreia do Sul. A Coreia é um bom exemplo, pois pode ser comparada ao Brasil. Início dos anos 50 do século passado; o Brasil com renda “per capita” girando ao redor de U$ 800 e a Coreia ao redor de U$ 100. Dois países pobres, agrícolas, com infraestrutura precária e, a Coreia desgastada por uma guerra que dividiu a península coreana em dois países. Hoje, as situações se inverteram; a renda coreana passa de U$ 30.000 enquanto o Brasil patina ao redor de U$ 10.000. A diferença? O investimento maciço feito pelo país asiático em educação logo após o término da guerra, valorização dos professores e uso intenso de tecnologia transformaram a educação coreana do sul. 

Atualmente, um país da antiga Cortina de Ferro – leste europeu – mostra a força de sua economia por ter elegido a educação como pilar de desenvolvimento econômico. Sim, a Polônia, país várias vezes invadido e que conviveu, em um passado recente, com a invasão nazista e depois com a truculência de governos comunistas como membro da URSS – União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, mostra a força de transformação através da educação. Definições importantes foram tomadas e mudaram os resultados do país. Transformar a educação em prioridade governamental, aumentar de 15 para 16 anos a escolha dos alunos que seguirão cursos técnico/profissionalizante ou regular/acadêmico parece ter feito uma diferença enorme, além de valorizar o papel do professor com cursos adicionais de formação e salários melhores, fez os alunos poloneses darem um salto em sua aprendizagem e serviu para colocá-los entre os 10 melhores países do mundo em educação no exame feito pela OCDE (Pisa).

Outro país que deve ser citado é a Alemanha; lá a opção entre ensino acadêmico e técnico ocorre aos 11 anos de idade. Os estudantes ao completarem esta idade são encaminhados para o Gymnasium (continuidade da formação acadêmica) ou Realschule ou Hauptschule, que são módulos de formação profissional, em que se formam ao atingir 16 anos. A forma de escolher quais estudantes seguirão qual caminho é decidida pelo aproveitamento escolar. Os estudantes não escolhidos para o Gymnasium podem tentar o ingresso em Universidades somente após completar 21 anos. A Alemanha é reconhecida pela eficácia de seus cursos técnicos. 

Interessante ressaltar que, tanto na Polônia como na Alemanha, as escolas seguem orientações básicas emitidas pelos Ministérios da Educação, mas têm liberdade e autonomia para fazerem aquilo que entenderem correto e, desde que não contrariem as linhas mestras que orientam a educação. Quanta diferença em relação ao Brasil onde o Ministério da Educação determina tudo e até a forma de como as coisas devem ser feitas. Mais autonomia parece uma direção coerente e acreditar que os gestores serão capazes de levar suas escolas a atingirem as metas estabelecidas. Acreditar mais nas pessoas parece um bom caminho.

Enfim como diz Edélia Coelho “não é possível confundir o princípio democrático de dar educação a todos com dar a mesma educação a todos!” ou como diz José Pacheco “não passa de um grave equívoco a ideia de que se poderá construir uma sociedade de indivíduos personalizados, participantes e democráticos enquanto a escolaridade for concebida como um mero adestramento cognitivo!”

Enquanto não se resolver o problema da educação, os problemas do Brasil não serão resolvidos!

Prof. Ozinil Martins de Souza

  • imagem de ozinil
    Possui graduação em Geografia pela Fundação Universitária Regional de Joinville e pós-graduação em Educação pelo Instituto Catarinense de Pós-Graduação. Tem forte experiência na área de Administração de Recursos Humanos, Negociação Sindical, Consultoria Empresarial e Empreendedorismo e atua na área acadêmica.

Notícias Relacionadas