Coluna Ozinil Martins | Agronegócio e seu papel no desenvolvimento do país!

21 de Janeiro de 2020

O que aconteceu com a produção de alimentos no Brasil?

No início dos anos 50 o Brasil era um país rural; 80% de sua população vivia e trabalhava na área rural e os frutos de seu trabalho alimentavam, aos próprios agricultores e, parte da população urbana do país. Deste período até meados dos anos 70 o Brasil importava, em torno de, 30% de todo alimento consumido.

Em 2020 os números não só inverteram-se como assumiram nova dimensão. Há indicações de que a população rural situa-se na casa de 10 a 15% da população brasileira e, a pergunta que não pode deixar de ser feita é: o que aconteceu com a produção de alimentos no país?

Símbolos da vida no campo de tempos passados, como Jeca Tatu e Mazzaropi, ficaram, exatamente, no passado. Tecnologias incorporadas ao processo de gestão das propriedades rurais transformaram o agricultor, em consumidor voraz das mesmas.

Hoje o agricultor já pode administrar sua propriedade sem necessidade de sair de casa; sensores permitem analisar o solo, o teor de umidade, as necessidades de correções do solo; a aplicação de técnicas verdes e ajustadas ao menor consumo de agrotóxicos; o acesso aos mercados consumidores através de um toque em seu computador; a produção leiteira de seu gado em termos de quantidade e de necessidade de ração e o adestramento destes animais para a ordenha automatizada e, tudo isso quase sem necessidade de gente para trabalhar.

Sim, a agricultura e pecuária evoluíram através da incorporação de técnicas de gestão modernas e do uso intensivo da tecnologia. O agricultor há muito deixou de ser um bronco; hoje, é gestor de um processo que garante na mesa de mais de 1,4 bilhão de pessoas mundo afora, a comida que possibilita a vida, o algodão que lhes permite a roupa e a certeza de que muito mais será feito se depender de quem trabalha. E, isto usando, apenas, 4% do território nacional e, mantendo a agricultura mais equilibrada do mundo em relação ao meio ambiente.

E, tudo isso começou com a criação da Embrapa, empresa de pesquisa e inovação, que revolucionou os hábitos e o processo de produção agrícola do país. Criada no governo de Emílio G. Médici, através da pesquisa permitiu ao empresário rural acesso a novas técnicas e tecnologias, permitindo ao Brasil o status de “player” internacional no jogo das “commodities”. Para ter ideia “um em cada 4 pratos de comida posto a mesa ao redor do mundo, tem algum produto brasileiro.”

Reconhecer o trabalho realizado pela Embrapa e o esforço para implantação de agricultura e pecuária inovadora e competitiva é prioritário, quando muitos pretendem transformar o agronegócio em vilão do meio ambiente. Ler e pesquisar mais fará bem aos que acusam. Aos políticos uma lembrança importante: “cuidem de manter as condições da porteira para fora, pois da porteira para dentro os agricultores garantem!”

Prof. Ozinil Martins de Souza

  • imagem de ozinil
    Possui graduação em Geografia pela Fundação Universitária Regional de Joinville e pós-graduação em Educação pelo Instituto Catarinense de Pós-Graduação. Tem forte experiência na área de Administração de Recursos Humanos, Negociação Sindical, Consultoria Empresarial e Empreendedorismo e atua na área acadêmica.