Coluna Inovação | Projeto catarinense disputa, neste sábado (21), final mundial do Global Legal Hackathon, em NY

19 de Abril de 2018

Depois de vencer etapas brasileira e latino-americana, equipe da "Apresente-se", de Florianópolis, é uma das 14 ideias inovadoras de 6 continentes selecionadas

Há pouco mais de um mês, um grupo de oito pessoas passou um final de semana desenvolvendo um sistema online que permite a cidadãos em medidas restritivas (apenados) se apresentem online às autoridades utilizando um app com georreferenciamento, reconhecimento facial e voz. O Tribunal recebe as informações, registra no banco de dados e confere as informações de forma remota, com eficiência operacional, economia de recursos e tendo a tecnologia como aliada.

Assim surgiu o "Apresente-se", projeto vencedor da etapa brasileira do Global Legal Hackathon, que reuniu na sede da Softplan, em Florianópolis, 210 profissionais do Direito, tecnologia, design e negócios. Poucas semanas depois, a equipe da Capital disputou - e venceu novamente - a final latino-americana em São Paulo, que deu direito à participar da disputa global, que escolhe o vencedor neste sábado, dia 21 de abril, em Nova Iorque.

Únicos representantes da América Latina, a turma do "Apresente-se" é uma das 14 escolhidas em um programa que envolveu 350 projetos nos seis continentes. Estão no páreo também ideias dos EUA, Canadá, China, Alemanha, Singapura, Nigéria e Hungria - a lista completa está aqui. Essa mobilização global para desenvolver inovações para a área jurídica mostra o avanço das lawtechs no ambiente de startups.

E o Brasil é terreno fértil para soluções disruptivas na área jurídica: o país conta com mais de um milhão de profissionais registrados na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e já ultrapassou o volume de 100 milhões de ações judiciais - só na Justiça do Trabalho, há 2,5 milhões de novos processos por ano. Na comparação de gastos em função do Produto Interno Bruto, o sistema judiciário brasileiro é o mais custoso (equivale a 1,3% do PIB), mas em termos de celeridade é o 30o. mais lento do mundo, aponta relatório publicado pelo Sistema de Inteligência Setorial do Sebrae/SC.

No ano passado, a  Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L), que tem como objetivo apoiar o ecossistema de inovação, integrando profissionais da área tecnológica e jurídica, além de produzir estudos e pesquisas que forneçam informação relevante ao mercado e atuar junto à administração pública para estimular a adoção de novas ferramentas e tecnologias. Pesquisa recente produzida pela AB2L mostrou que 95% dos escritórios de advocacia estão abertos a inovações que solucionem seus problemas e 62% já procuram serviços customizados de tecnologia.

Com uma demanda desse tamanho, torcemos para que a "Apresente-se", que já trilhou um caminho de sucesso no continente, possa voltar a Florianópolis com mais uma conquista - desta vez efetivamente global.

 

Construção civil e agronegócio também avançam no uso de tecnologia

Além do Direito, já falamos aqui na coluna sobre outras áreas que começam a se destacar pela aplicação de novas tecnologias, como a construção civil e o agronegócio. E Santa Catarina está bem representada na ponta de lança das inovações nestes mercados.

Enquanto o setor imobiliário e de construção vê articulações como uma vertical de negócios na Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE) e a venture builder Construtech Ventures, na parte de agricultura o cenário é mais maduro. As pioneiras deste mercado têm quase duas décadas de atuação, caso da Agriness, líder em sistemas para gestão de granjas suínas. Até empresas internacionais vieram para Santa Catarina, caso do grupo sueco Hexagon, que comprou a startup Arvus mas decidiu centralizar a área de desenvolvimento na capital catarinense. Uma das mais novas tecnologias que a empresa criou - um software que otimiza processos de cultivo, alocação de máquinas e uso de sementes e insumos - será um dos destaques do Agrishow 2018, tradicional feira agrícola que acontece em Ribeirão Preto (SP).

Há um forte movimento em outras cidades do estado também: no último final de semana, Chapecó recebeu um Startup Weekend dedicado a inovações ao agronegócio, que teve como melhor projeto uma plataforma chamada SkEyes, para identificar pontos falhos nas lavouras por meio de tecnologia de imagem de satélite e mapa de calor. No início de abril, a joinvilense JetBov, que desenvolve uma plataforma de gestão para produtores de gado de corte, recebeu um aporte de R$ 3 milhões do fundo SP Ventures, especializada em agrotechs e que já tinha investido na Horus Aeronaves, de Florianópolis, que fabrica drones para mapeamento aéreo.

Como me disse certa vez Clóvis Rossi, diretor da Vertical Agronegócios da ACATE, "o produtor hoje se vê como um empreendedor rural. Além disso, os filhos estão voltando ao campo e profissionalizando os negócios. A tecnologia vai tornar o êxodo urbano uma grande tendência nos próximos anos”.

 

Fabricio Umpierres Rodrigues

  • imagem de umpierres@gmail.com
    Fabrício Rodrigues, editor do portal SC Inova, é jornalista com especialização em Gestão Empresarial. Atuou durante 12 anos como coordenador em agências de assessoria de imprensa (Dialetto e PalavraCom), foi repórter em jornais como Gazeta Mercantil SC, A Notícia e Folha de S. Paulo e editor de sites de cultura desde os tempos da Internet discada. www.scinova.com.br / E-mail: scinova@scinova.com.br