Coluna Inovação | A participação catarinense no maior encontro das comunidades de startups do Brasil

04 de Dezembro de 2018

No CASE 2018, promovido pela Associação Brasileira de Startups, empreendedores de SC se destacaram na feira de negócios, na programação e também na premiação nacional

Empreendedores de Santa Catarina marcaram presença nos corredores e em uma série de palestras durante a Conferência Anual da Associação Brasileira de Startups (ABStartups), o CASE 2018, que reuniu cerca de 5 mil pessoas entre os dias 29 e 30 de novembro, em São Paulo.

O evento é uma espécie de encontro das comunidades de empreendedorismo e tecnologia do país - com direito às bandeiras de cada estado decorando a entrada do centro de eventos Pro Magno, criando um clima informal de competitividade que ficou mais acirrado durante a entrega do Startup Awards, principal prêmio do universo das empresas nascentes no Brasil, com algumas torcidas estaduais agitando em alto e bom som o nome de seus representantes a cada categoria que era anunciada.

E nesse campeonato, os times favoritos eram os de São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina. O curioso é que, destes três, só Santa Catarina tem de fato uma coesão estadual, com o StartupSC reunindo no evento empreendedores, professores e profissionais de várias cidades: Floripa, Balneário Camboriú, Itajaí, Blumenau, Joinville e outras. A comunidade mineira de San Pedro Valley, berço de algumas das maiores startups do país, representa mais o ambiente de inovação de Belo Horizonte, enquanto o ZeroOnze, como o próprio nome deixa claro, é basicamente a turma startupeira da capital paulista. E foram eles que, por sinal, levaram o título de "Comunidade do Ano" no Startup Awards, vencendo mineiros e barrigas-verdes.

Mas Santa Catarina, que disputava 9 dos 11 prêmios, ainda trouxe três troféus: numa disputa acirrada, a ACATE levou como melhor "Coworking ou Hub de Inovação", vencendo nada menos que o CUBO e o Google for Startups - duas referências do ecossistema de São Paulo. Na categoria Aceleradora, ganhou o Darwin Startups, criado em 2015 a partir de uma equipe ligada à Fundação CERTI com apoio de investidores-anjo, e que hoje está em Floripa e em São Paulo com financiadores do porte da B3 (leia-se Bovespa), Neoway e outras.

Por fim, a terceira estatueta foi para o "Herói do Ano", entregue a Alexandre Souza, responsável pelo projeto StartupSC, que une: programa de aceleração e capacitação a startups (que chega a quatro cidades do estado em 2019) + os encontros da comunidade (Meetups) + organização dos Startup Weekends em SC (só em 2018 foram 16 edições, um recorde entre os estados do país) + Startup Summit, que já nasceu "nacionalizado" com apoio do Sebrae e que reuniu mais de 2,3 mil pessoas.
 

DESTAQUES DE SC NA PROGRAMAÇÃO

O principal encontro de comunidades de empreendedorismo e tecnologia do país - que reúne outros eventos paralelos, como um fórum de inovação para a indústria, por exemplo - destacou a consolidação do ecossistema catarinense e de algumas das empresas que mais cresceram no estado ao longo dos últimos anos, como a Exact Sales e a Resultados Digitais, de Florianópolis, e a Total Voice, de Palhoça.

CEOs e fundadores das três empresas apresentaram, no espaço da gigante norte-americana Salesforce, as estratégias, erros e aprendizados no processo de validação de seus negócios e expansão. “Quando você cresce em escala, aquilo que você fez no começo talvez não funcione mais hoje. A única certeza é que tudo vai quebrar no processo de crescimento exponencial: processos, pessoas e metodologias”, ressaltou Bruno Ghisi, CTO da Resultados Digitais e responsável por um time de mais de 100 desenvolvedores.

Em uma das palestras mais representativas da programação, que abordou a criação de comunidades empreendedoras no país, Santa Catarina foi um dos destaques, ao lado de representantes do Rio de Janeiro e do Acre - um case, por sinal, dos mais interessantes, que mostrou como os empreendedores da região amazônica se uniram para desenvolver soluções não para o mercado do centro-sul do Brasil, mas para os países andinos (Bolívia, Colômbia e Peru), que somam cerca de 30 milhões de habitantes.   

"O pessoal olha para o que Santa Catarina está fazendo hoje mas isso é resultado de uma base, de um ecossistema que começou a se estruturar desde a década de 1980", ressaltou Alexandre Souza, que representou o ambiente de inovação catarinense no debate.

O saldo do evento foi amplamente positivo para o cenário empreendedor do estado: ainda que a régua esteja subindo com relação a outras regiões do país (e o fato de ainda não  termos o tão propagado "unicórnio" nascido em solo catarinense), a representatividade no CASE, os prêmios e a grande presença de empreendedores gerando negócios e conexões mostra que não se pode falar em inovação no Brasil sem inserir o ecossistema de Santa Catarina na jogada.

Fabricio Umpierres Rodrigues

  • imagem de umpierres@gmail.com
    Fabrício Rodrigues, editor do portal SC Inova, é jornalista com especialização em Gestão Empresarial. Atuou durante 12 anos como coordenador em agências de assessoria de imprensa (Dialetto e PalavraCom), foi repórter em jornais como Gazeta Mercantil SC, A Notícia e Folha de S. Paulo e editor de sites de cultura desde os tempos da Internet discada. www.scinova.com.br / E-mail: scinova@scinova.com.br