Coluna Inovação | A nobre arte de passar o bastão às novas gerações

24 de Janeiro de 2019

Vale a pena conhecer alguns movimentos recentes no cenário de TI local

Foto: Henrique Bilbao (novo presidente Blusoft), Joe Linder (ex-presidente Blusoft) e Daniel Leipnitz (presidente Acate) / Crédito: Divulgação Blusoft

Inovar, dar vazão ao novo, modificar antigos costumes, repensar padrões de atitude e produção… a essência dessa palavrinha mágica - inovação - que muita gente quer tomar pra si, ou para sua empresa, inclui boas doses de coragem para arriscar. E também de  entender quando é a hora de passar a bola para outras pessoas - de outras gerações e formações, diga-se.

Escrevo isso em função de alguns movimentos que aconteceram no cenário de tecnologia em Santa Catarina agora no começo de 2019.

A mais recente delas se deu em Blumenau, o polo pioneiro da TI catarinense, que neste ano completa 50 anos desde a fundação do Centro Eletrônico da Indústria Têxtil (Cetil), base de todo o movimento tecnológico local. Na última segunda (21), a entidade que representa as empresas da região, Blusoft, deu uma guinada na gestão ao empossar um jovem empreendedor, Henrique Bilbao, 32 anos, como presidente.

Representante da nova geração de startups do Vale do Itajaí, Henrique tem a idade de algumas das mais tradicionais empresas da cidade e nem é um nativo da região. Manezinho, deixou Florianópolis para estudar em Blumenau aos 16 anos e nunca mais saiu de lá. Voluntário no Blusoft há três anos, ele foi preparado pela antiga diretoria - e especial o ex-presidente Joe Linder - para ficar à frente da entidade na gestão 2019-2022.

“Blumenau sempre foi um polo de tecnologia, mas há algumas décadas só tínhamos empresas grandes. Nos últimos anos a cidade viu um salto de novos empreendedores, muita gente nova surgindo, quebrando, recomeçando, crescendo. E eu mesmo sou um exemplo: quebrei duas vezes, hoje tenho quatro negócios, dois nos Estados Unidos, outras com atuação em São Paulo, Florianópolis…”, resume Henrique, que entre outras atividades é CEO da Ezok, que atua com desenvolvimento de inteligência artificial.  

Na nova gestão, ele contará com o apoio de experientes empresários da cidade, como o vice-presidente João Luiz Kornely, CEO da HBSIS, uma das maiores empresas do setor na cidade. A região de Blumenau e do Vale do Itajaí conta com mais de 3,3 mil empresas de base tecnológica que são responsáveis por 22% de todo o faturamento do setor no estado (Fonte: Observatório Acate).

Outra notícia relevante nessa seara foi a mudança radical na gestão da startup Cheesecake Labs, de Florianópolis. Fundada há menos de cinco anos por jovens egressos da UFSC, a empresa se consolidou atendendo principalmente demandas de empresas do Vale do Silício para produção de aplicativos e plataformas online. Em 2018, a Cheesecake aumentou o faturamento em 25% e ultrapassou a faixa dos R$ 10 milhões de faturamento/ano.

Num movimento pouco usual no mercado, especialmente em time que está ganhando, os quatro fundadores - Victor Gomes, Cassio Marcos Goulart, Alex Cordeiro e Marcelo Salloum dos Santos – saíram da linha de frente para atuar agora em um comitê dedicado ao desenvolvimento estratégico da empresa, de olho em novos projetos e na análise do mercado interno e externo. O novo CEO Marcelo Gracietti vem com a experiência de empresas nos EUA, Espanha e França e dividirá a gestão com outros diretores que ascenderam na própria Cheesecake.

É como Belchior já avisava, há mais de 40 anos:  "o novo sempre vem".

 

Soprando velinhas

Janeiro é um mês de comemoração para duas das mais reconhecidas empresas de tecnologia desta geração em Santa Catarina. A Resultados Digitais completou 8 anos resgatando sua história numa timeline que mostra o impressionante crescimento desde 2011 (não sem alguns solavancos, claro) e, mais uma vez, foi listada pelo portal Exame.com como uma das sete brasileiras que podem se tornar "unicórnios" em 2019. As apostas se devem também pelo fato de que a empresa entrou no mercado de CRM - desde que a RD anunciou o novo produto, no Summit de 2018, mais de 10 mil empresas de pequeno e médio porte se integraram às soluções de gestão e vendas.

Um pouco mais jovem, a ContaAzul, comemorou sete primaveras agora em janeiro. A scale-up fundada em Joinville - e que ajudou a impulsionar uma nova safra de empreendedores locais - fortaleceu no ano passado seu posicionamento como uma parceira de tecnologia para escritórios de contabilidade. Além disso, foi protagonista de um dos maiores deals do mercado de startups brasileiro, ao receber aporte de R$ 100 milhões do fundo norte-americano Tiger Global Management, o mesmo que capitalizou 99 e o Nubank.

Fabricio Umpierres Rodrigues

  • imagem de umpierres@gmail.com
    Fabrício Rodrigues, editor do portal SC Inova, é jornalista com especialização em Gestão Empresarial. Atuou durante 12 anos como coordenador em agências de assessoria de imprensa (Dialetto e PalavraCom), foi repórter em jornais como Gazeta Mercantil SC, A Notícia e Folha de S. Paulo e editor de sites de cultura desde os tempos da Internet discada. www.scinova.com.br / E-mail: scinova@scinova.com.br