Coluna Inovação | Duas marcas para o cenário empreendedor em SC: os 20 anos da incubadora MIDI e os 5 da Endeavor

19 de Outubro de 2018

Em cinco anos, graduadas e incubadas faturaram R$ 1 bilhão; já as empresas que passaram por programa da Endeavor ano passado (foto) aumentaram em 55% o volume de empregos gerados

O ano de 2018 marca duas importantes efemérides para o ecossistema de inovação aqui em Santa Catarina: é quando se completa 20 anos da criação da incubadora MIDITEC e os 5 anos da chegada ao estado da Endeavor, ONG de fomento ao empreendedorismo.

Pelo MIDITEC - gerenciado pela Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE) e mantido com apoio do Sebrae Santa Catarina - foram graduadas nessas duas décadas mais de 100 empresas, que ajudaram a incubadora a ser eleita quatro vezes como a melhor incubadora do país (segundo premiação da Anprotec) - e recentemente selecionada entre as cinco melhores do mundo em ranking do UBI Global.

Só entre 2013 e 2017, as graduadas e incubadas geraram um faturamento somado de R$ 1 bilhão, calcula Marcos Regueira, consultor do Sebrae/SC que ficou por uma década lotado no MIDITEC. Mesmo sem dados exatos de faturamento antes de 2013, Regueira calcula que as empresas que passaram pela incubadora faturaram até aquele ano pelo menos outros R$ 500 milhões.

Hoje, com a eclosão das startups, passar pelo processo seletivo da incubadora é um dos principais desafios para quem está começando. Na última chamada, foram 129 empresas inscritas, das quais 54 foram pré-selecionadas para apenas 5 vagas disponíveis. “O nível dos empreendedores está cada vez maior. Quem chega hoje para ser incubado já tem um protótipo validado, conhece bem modelos de negócio, alavancagem, tem uma bagagem acumulada como profissional. Ainda tem muita gente jovem se candidatando mas a peneira está cada vez mais difícil a cada ano”, ressalta Gabriel Sant’Ana, diretor executivo da ACATE e coordenador do MIDITEC.

Em busca das "scale-ups"

O termo “empreendedorismo” ainda era pouco comum no ambiente econômico do Brasil quando uma ONG internacional de fomento a negócios, a Endeavor, aportou no país no começo dos anos 2000.  Em Santa Catarina, encontrou um ambiente fértil: em pouco mais de cinco anos de atuação, o estado representa 11% de todas as empresas ligadas à instituição no país: neste período 96 empresas passaram por programas da Endeavor em SC, das quais 80 são do setor de tecnologia.

“Nossa missão é fazer com que essas empresas se desenvolvam e mantenham o crescimento a partir das dores comuns da expansão, que isso seja um exemplo para outros empreendedores e que retornem isso de alguma forma para o ecossistema, seja na geração de empregos, no retorno ao investidor, em mentorias. É é o que acaba acontecendo”, resume Guilherme Lopes, coordenador regional da Endeavor em Santa Catarina desde o ano passado.

Nos últimos três anos, a entidade começou a direcionar mais os esforços para disseminar o conceito – e encontrar exemplos – de “scale-ups” em Santa Catarina e no país. Foi o que levou à criação do programa Scale-up Endeavor, que já ajudou a desenvolver negócios crescentes e inovadores de 14 cidades catarinenses: Florianópolis, Blumenau, São Carlos, Balneário Camboriú, Itajaí, Brusque, Jaraguá do Sul, Joaçaba, Araranguá, Joinville, Tubarão, Pomerode, Garopaba e Chapecó.

As empresas que participaram da edição 2017 do Scale-up ampliaram a sua oferta de empregos em 55% e registraram um aumento médio de 126% na receita na comparação com o ano anterior. “Não ensinamos negócios, ensinamos ele a ficar sólido”, ressalta Guilherme.

Raio-x das startups em SC

A captação de investimentos externos faz parte da realidade de poucas startups catarinenses – apenas 30,65% das que responderam a pesquisa inédita realizada pelo Sistema de Inteligência Setorial (SIS) do Sebrae/SC. O estudo mostrou reforçou também a predominância masculina no setor - 79% dos participantes são homens, com idade média de 34 anos. O universo considerado para esta pesquisa foi o das 329 startups mapeadas pela plataforma StartupSC e também registradas pela Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE). 

Reconhecimento nacional

A Softcon Contabilidade, de Florianópolis, especializada em soluções contábeis para startups e pequenas e médias empresas de tecnologia, recebeu nesta semana o principal prêmio dedicado a escritórios de contabilidade parceiros da ContaAzul, o "Destaques do Mercado Contábil 2018" - entregue durante o evento ContaAzul Con, que reuniu mais de 1,5 mil profissionais do setor, em São Paulo.

O escritório, que tem mais de 15 anos de atuação segmentada (95% dos clientes são da área de tecnologia), obteve a melhor performance na soma de todas as categorias (crescimento, satisfação do cliente, produtividade). A ContaAzul tem feito com o mercado de contabilidade uma estratégia semelhante à que a Resultados Digitais criou para as agências digitais: apoio e suporte na utilização de uma ferramenta para digitalizar as rotinas em uma área profundamente afetada pelas transformações tecnológicas.

Fabricio Umpierres Rodrigues

  • imagem de umpierres@gmail.com
    Fabrício Rodrigues, editor do portal SC Inova, é jornalista com especialização em Gestão Empresarial. Atuou durante 12 anos como coordenador em agências de assessoria de imprensa (Dialetto e PalavraCom), foi repórter em jornais como Gazeta Mercantil SC, A Notícia e Folha de S. Paulo e editor de sites de cultura desde os tempos da Internet discada. www.scinova.com.br / E-mail: scinova@scinova.com.br