Publicidade
Coluna Entretenimento | Mariana Vogt lança “Segredos sussurro enquanto a ambrosia cozinha” nesta sexta-feira (15), na Fundação Cultural BADESC
12 de Março de 2024

Coluna Entretenimento | Mariana Vogt lança “Segredos sussurro enquanto a ambrosia cozinha” nesta sexta-feira (15), na Fundação Cultural BADESC

Este é o segundo livro da autora, que é mestra e doutoranda em Literatura e graduada em Psicologia, pela UFSC. Acompanhe a Conversa Cultural com Mariana e divirta-se!

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook
Por Entretenimento 12 de Março de 2024 | Atualizado 12 de Março de 2024

Mariana Vogt lança livro “Segredos sussurro enquanto a ambrosia cozinha”, nesta sexta-feira (15), na Fundação Cultural BADESC. Foto: André Cantuár

Mariana Vogt lança livro com contos culinários em homenagem a bisavó

 

‘Segredos sussurro enquanto a ambrosia cozinha’, será lançado na quinta-feira, 15 de março, na Fundação Cultural BADESC, em Florianópolis; entrada é gratuita

Publicidade

Natural de Ijuí, no Rio Grande do Sul, a escritora Mariana Vogt, de 29 anos, que mora há 15 anos de Florianópolis, se prepara para lançar na sexta-feira, 15 de março, o segundo livro da carreira, “Segredos sussurro enquanto a ambrosia cozinha”. O evento com entrada gratuita será a partir das 19h na Fundação Cultural BADESC, em Florianópolis

Mestra e doutoranda em Literatura e graduada em Psicologia, ambos pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Mariana, que entrou na literatura em 2020, compartilha um pouco da sua trajetória na entrevista abaixo:

 

– Como a literatura entrou na sua vida?

Mariana: Talvez com a feira do livro em Ijuí/RS, eu era criança e a minha mãe me deixava escolher três ou quatro livros para levar para casa. Mas, também com a imagem de um avô que lia muito, e um pai que comprava livros para mim. Quando comecei a pesquisar livros de receitas, percebi que tinha bisavó e avó escritoras. Criativas. Escritoras de receitas culinárias. Apesar de gostar de ler, comecei a escrever há quatro anos quando fiz uma oficina de escrita. Mesma época em que iniciei meu mestrado em Literatura. Antes não escrevia literatura, mas penso que já estava rodeada dela.

 

– Quantos livros você já lançou?

Mariana: Tenho dois livros publicados. “Eu te sonho: cartas do confinamento” (Estúdio Semprelo), escrito em coautoria com Fábio Brüggemann e publicado em 2022. O segundo livro, publicado em 2023, é o “Segredos sussurro enquanto a ambrosia cozinha” (Estúdio Semprelo). Participo também das antologias “Zarpadas: pequenos itinerários em verso e prosa” (Abarca Editorial) com o poema “Escrevo pelo não”, publicado em 2023, e “37 escritoras neolatinas contemporâneas” (Casa Philos) com o pequeno ensaio “Interior amarelo tempo: mulheres escritoras de livros de receitas”, publicado em 2023.

 

– Você tem alguma premiação?

Mariana: Recebi menção honrosa no Prêmio Zahidé Muzart de melhores TCCs, dissertações e teses em estudos feministas e de gênero pela minha dissertação de mestrado intitulada “(N)o verso das receitas, uma página em branco: a escritura, a litura e a leitura de livros de receitas”.

 

– Conta como foi a ideia de fazer essa homenagem para a sua bisavó?

Mariana: ‘Segredos sussurro enquanto a ambrosia cozinha’ é um livro-homenagem ao centenário de Carolina, minha bisavó, que ministrava cursos de culinária para mulheres em Ijuí/RS entre os anos 1950 e 1970. Ela publicou o livro “Quitutes da D.ª Carolina Porciúncula: arte culinária” como material de apoio aos cursos. O livro tem receitas de um lado da página e páginas em branco no verso. Aproveitei essa estrutura para organizar o “Segredos sussurro enquanto a ambrosia cozinha”, ou seja, selecionei algumas receitas de Carolina para preencherem um lado da página e escrevi contos culinários no que seriam as páginas em branco. Como se eu preenchesse as páginas em branco deixadas por minha bisavó.

 

– Podes destacar um trecho do livro?

Mariana: “Eu pensei em escrever uma receita-ficção. Se alguém tentasse fazer não daria certo, ou daria, mas eu escreveria sem testar. A escrita antes do sabor. Pensei nela. Em reproduzir uma receita dela e contar quem ela foi. No passado as palavras se escrevem de outro jeito. A receita é a minha proximidade. O esquecimento é a palavra. E ela começou a esquecer as receitas que sempre soube de cor. E eu começo a saber algumas receitas de cor.

 

são as mulheres que

decoram as receitas

como se descascassem a própria vida”.

 

– Como é para você fazer o lançamento do livro na Fundação Cultural BADESC?

Mariana: Para mim é bastante especial fazer o lançamento do livro em um espaço como a Fundação Cultural BADESC, principalmente pela abertura para falar sobre literatura e culinária, tema que cerca meus estudos e minha vida. Vejo a Fundação como um espaço também de memória e fico feliz pela oportunidade de estar nesse espaço compartilhando memórias familiares.

 

Durante o lançamento

No evento de lançamento haverá uma roda de conversa com Donato Marcelo Dreher Heuser, professor na área de Turismo, Hospitalidade e Gastronomia e Tânia Regina Oliveira Ramos, orientadora no Programa de Pós-Graduação em Literatura na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

A Fundação Cultural BADESC fica na Rua Visconde de Ouro Preto, 216, no Centro de Florianópolis. Atualmente o casarão recebe duas exposições: Raízes Poéticas e Paisagens Internas, que abre nesta quinta, dia 14, a partir das 19h. A visitação na Fundação é gratuita e pode ser feita de segunda a sexta das 13h às 19h.

 

Crédito da imagem em destaque: André Cantuária.

 

Envie sugestões de entrevista para [email protected].

Publicidade
Publicidade