Coluna Economia | O desempenho surpreendente das startups brasileiras em 2021

13 de Abril de 2021

por DJ Castro

 

O mercado de startups brasileiras está muito aquecido. No primeiro trimestre do ano, já foram investidos mais de 10 bilhões de reais em nova empresas de tecnologia, em 156 rodadas de investimentos, um novo recorde.

Os números vem em uma curva ascendente forte, consolidando a atratividade das startups nacionais e mostrando o potencial de crescimento do mercado como um todo. As empresas de base tecnológica foram as que melhor navegaram os problemas gerados pela pandemia e, nesses tempos de crise, são uma ilha de prosperidade no cenário econômico. 

Mais unicórnios estão sendo gerados, como a Hotmart, empresa especializada em cursos online criada em 2011 e que já está expandindo suas operações no mercado internacional. Ela recebeu um aporte de 735 milhões de reais no início de 2021, consolidando sua nova fase de Scale-Up. 

A Loft recebeu aporte de 425 milhões de dólares de um grupo de investidores norte-americanos. O investimento na Loggi foi de 1,2 bilhões de reais. Além disso, em março foi divulgada a compra da RD Station pela Totvs, por quase 2 bilhões de reais, na maior aquisição de empresa de tecnologia de capital fechado do Brasil. 

Segundo dados da Sling Hub, os segmentos que mais captaram investimentos foram Fintech (25,5%), Healthtech (12,7%) e Retailtech (10,9%). O estado de São Paulo concentrou o maior investimento, com 3,9 bilhões de reais distribuídos em 31 empresas, seguido por Santa Catarina com 202 milhões de reais investidos em 4 startups. 

Os investidores mais ativos foram a BiontechTown, com nove negócios; a Anjos do Brasil, com sete  e a Domo Invest e Soft Bank com seis.

Em tempos de taxa SELIC baixa, investir em startups, apesar dos riscos, pode oferecer recompensas altíssimas para quem fizer as apostas certas. Os investimentos estão aumentando em todas as etapas de desenvolvimento das startups, desde Seed Money até Series A, B e C. Os investidores nacionais e globais reconhecem o potencial das startups brasileiras, apontando um potencial enorme de crescimento futuro. 

É claro que, como todo investimento, há risco envolvido, e nada garante que as empresas investidas alcancem os resultados esperados. Mas o mercado nacional está amadurecendo rapidamente e a taxa de sucesso das empresas está aumentando, o que também aumenta a confiança do mercado como um todo. Ainda há muito espaço para desenvolver soluções de base tecnológica para revolucionar mercados e gerar riqueza no Brasil. 

O potencial empreendedor existe, as demandas dos mercados existem e as novas tecnologias estão disponíveis para ajudar na criação de soluções com propostas de valor consistente.

As startups criam soluções tecnológicas para problemas latentes das pessoas nos mais diversos mercados, atraem profissionais de alta capacitação, ajudam a gerar inovação em setores estagnados e apontam o futuro do desenvolvimento dos mercados. É a partir delas que podem surgir novas indústrias com geração de riqueza e impactos duradouros em toda a sociedade. Quem estiver atento, vai lucrar muito com isso.

 

D.J. Castro
Estrategista de marcas e consultor de marketing. 
Fundador da Nexia Branding.
Vice-coordenador do Núcleo de inovação da ACIB.
Coordenador de marketing do CENI.
Head de comunidades da Blusoft.
Head de Marketing da SC Angels.

 

Notícias Relacionadas