Publicidade
Coluna Ana Lavratti: Pra valer nosso valor
09 de Julho de 2018

Coluna Ana Lavratti: Pra valer nosso valor

Publicidade
Twitter Whatsapp Facebook
Por Ana Lavratti 09 de Julho de 2018 | Atualizado 09 de Julho de 2018

Na semana passada, aqui na Coluna, tratei do que foge ao meu controle…

A constelação sistêmica forjada por uma multidão de ancestrais,

Publicidade

os genes entrelaçados desde a concepção,

a conversa permanente do inconsciente… o meu com todo aquele que me cerca.

Convencida de que cada um, com seus “precedentes”,

herda talentos e valores, automaticamente.

Mas cabe a nós to be or not to be, bem lembrou Shakespeare.

Se conformar com o que sou ou lapidar tudo o que tenho a meu favor.

 

Clássicos aclamados à parte, pra mim a resposta estava em um livro bem moderno.

“Desperte o gigante que existe em você”, do guru dos coachs Tony Robbins, que comanda em agosto, pela primeira vez no Brasil, uma imersão em transformação.

Com ele, entre mais de 600 páginas, aprendi o quanto sou eu que dito a ordem que os meus valores ocupam na minha vida. Eximindo conflitos naturalmente, simplesmente, porque sei fazer valer o que tem valor pra mim.

Pra facilitar, vamos simular:

 

Suponhamos que hoje o que eu mais valorizo é:

Família / Amor

Saúde / Qualidade de vida

Trabalho / Reconhecimento

Cultura / Escrever e apreciar a arte

Equilíbrio financeiro / Honestidade

Conhecer o mundo

Liberdade / Espontaneidade

 

A forma como eu priorizo os meus valores deve permear cada decisão tomada. Ou seja: se trabalhar full time, com muitas viagens e raras folgas, compromete o que julgo mais importante do que o sucesso profissional – minha família e minha saúde -, é melhor reavaliar minhas escolhas. Ou ainda: se o anseio de conhecer o mundo prejudica meu desempenho no trabalho, se largo tudo ao menor sinal de passagem em promoção, o resultado, por mais emoções que traga, vai contra o que almejo em longo prazo. Por isso, não basta ter ciência do que tem valor. Pra valer, preciso codificar cada atributo, dando mais do que hierarquia… assegurando a harmonia.

 

Se a minha lista, por exemplo, colasse valores antagônicos?

Família

Liberdade

Vida boa

Fazer fortuna

Viver na balada

Correr antes do sol nascer

Aparências

Espontaneidade…

 

Ficou mais fácil visualizar? O caos que a incongruência é capaz de gerar?

Por mais dolorido que seja reformar a minha lista, rebaixando a liberdade quando decido me casar, reduzindo o ritmo se a prioridade não for trabalhar, abrindo mão do esplendor se o meu deleite é regar a flor, trocar o luxo pela paz & amor… Designar a medida do que pra mim tem valor é um trunfo a meu favor.

 

 

“Certa manhã, devo escrever urgentemente uma carta “importante” – da qual depende o sucesso de certo empreendimento; em vez disso escrevo uma carta de amor – que não envio. Abandono alegremente tarefas desinteressantes, escrúpulos razoáveis, condutas reativas, impostas pelo mundo, em benefício de uma tarefa inútil, vinda de um Dever remarcável: o Dever amoroso”.
Roland Barthes, em Fragmentos de um discurso amoroso.

 

ACOMPANHE MAIS POSTS by #ANALAVRATTI NO INSTAGRAM @analavratti e no FACEBOOK @fanpageanalavratti

 

 

Para ampliar as imagens e acionar o slideshow , clique nas fotos da Galeria.

 

 

Publicidade
Publicidade