Coluna Alisson Barcelos | O mercado clama pelo retorno dos eventos

24 de Agosto de 2020

Mais de 700 técnicos e empresários realizadores de eventos se reuniram para pedir ao Governo que tome as medidas

Manifesto em Lisboa - Foto: SIC Notícias/reprodução internet

Muitas são as manifestações mundo afora pela retomada dos eventos presenciais. Alguns países, inclusive, estão, aos poucos, trabalhando neste retorno. No Brasil, ainda são estudados os protocolos de biossegurança para retomarmos de forma segura os eventos - no Rio Grande do Sul, estes movimentos-teste já começaram a ser colocados em prática.

A única certeza que temos é de que os governantes precisam olhar com urgência para este setor que foi tão abalado por esta pandemia e que é tão importante para a economia dos países não apenas em geração de empregos mas também na geração de receitas para muitos municípios.

 

Lisboa teve um dos protestos mais impactantes

Entre os manifestos que marcaram esta semana, um dos mais impactantes ocorreu na última terça (18) em Lisboa, no Terreiro do Paço (foto de abertura da coluna), quando mais de 700 técnicos e empresários realizadores de eventos se reuniram para pedir ao Governo que tome as medidas necessárias para assegurar a sobrevivência do setor. 

Vestidos de preto e juntos ao cases de guardar equipamentos, com máscaras e distanciados socialmente, eles projetaram nas fachadas dos edifícios imagens de espaços de eventos vazios nos últimos meses e palavras como “desespero”, “esquecimento” e “trabalho”. a manifestação foi organizada pela Associação Portuguesa de Serviços Técnicos para Eventos, composta por 170 empresas. 

 

Manifestação também no Rio de Janeiro 

No Rio de Janeiro, a orla da praia de Copacabana foi o local escolhido para a manifestação pela volta dos eventos presenciais. O protesto contou com a participação de artistas, produtores de eventos e profissionais de cinema, teatro, casas de festas e boates, e teve ainda a presença de roadies, produtores, técnicos de som, camareiros e seguranças, profissionais que fazem parte da cadeia de eventos e que estão esquecidos - e na miséria - desde o início da pandemia. 

No último dia 10 de agosto, reportagem da Agência Brasil informou que a Prefeitura do Rio de Janeiro antecipou em seis dias a autorização para o retorno de atividades presenciais em eventos corporativos e encontros de negócios, que estava prevista para ter início juntamente com a Fase 6 da reabertura na cidade, no último domingo (16), o que não aconteceu. 

 

Desfile de cases em São Paulo

Também no domingo (16), em São Paulo, os “profissionais da graxa”, como são conhecidos os trabalhadores dos bastidores dos eventos, tomaram as ruas da Zona Sul para cobrar a definição dos protocolos de segurança para a retomada dos eventos presenciais, além da criação de um plano emergencial para a categoria, o que inclui o auxílio emergencial até o fim do estado de calamidade pública ou até que seja autorizado o retorno dos eventos, e da revisão das leis para o setor. Os participantes estavam vestidos de preto, com máscaras e adotaram o distanciamento social. Junto com eles, os cases para guardar equipamentos enfeitados com balões pretos. Eles se reuniram nas imediações do Parque do Ibirapuera e andaram pelas ruas próximas, passando pela Assembleia Legislativa de SP. O movimento ficou conhecido como desfile de cases. 

 

Bento Gonçalves faz treinamento de protocolos para eventos 

 

O Rio Grande do Sul deu o primeiro passo para a retomada dos eventos profissionais de forma responsável no último dia 8 de agosto, com o primeiro treinamento envolvendo a simulação de um evento no país depois da pandemia. A simulação ocorreu a portas fechadas e foi exclusiva para profissionais do setor previamente inscritos, e ocorreu utilizando a estrutura da Movelsul Brasil, que já estava montada desde março e que foi cancelada. A capacitação cumpriu com todos os protocolos da bandeira laranja, respeitando teto de ocupação, uso de máscaras, aferição de temperatura corporal, distanciamento controlado e dispositivos com álcool em gel. 

Foram simuladas situações que envolvem estacionamento, recepção, credenciamento, passagem dos visitantes por estandes e cerimonial, de forma a testar e demonstrar os protocolos de segurança desenvolvidos pelo grupo Live Marketing, apresentados recentemente ao governo daquele Estado. O projeto foi idealizado pela consultora Vaniza Schuler, nossa entrevistada da última coluna, e coordenado pelas equipes dos Convention & Visitors Bureau de Bento Gonçalves, Gramado e Porto Alegre. A Vigilância Sanitária visitou o evento e a expectativa é de que o estabelecimento de protocolos para a retomada de congressos, seminários e feiras evolua.

 

Novos treinamentos-teste na agenda

Os próximos treinamentos estão programados para serem realizados no Centro de Eventos da Fiergs e no Teatro Bourbon Country, em Porto Alegre, e nos hotéis Wish Serrano e Master Palace, ambos em Gramado. As datas serão definidas de acordo com as bandeiras estipuladas pelo governo do Estado gaúcho. Falaremos sobre essas ações nas próximas colunas.

 

Festuris Gramado 2020 mantida para novembro

A organização da Feira Internacional de Turismo (Festuris Gramado) confirmou a realização da edição 2020, entre os dias 5 e 8 de novembro, no Serra Park, em Gramado (RS). O evento, considerado pelo trade a mais efetiva feira de negócios de turismo da América Latina, ocupará 25 mil metros quadrados e segue com inscrições abertas neste link. Esta será a 32ª edição. 

 

As perspectivas de Floripa para o pós-Covid-19

Vinícius de Lucca Filho, ex-superintendente de Turismo de Florianópolis e ex-Secretário Municipal de Turismo, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico da Capital, e atual professor de Turismo, Hotelaria e Eventos do IFSC, avalia que no pré-Covid a cidade vivia um momento muito positivo com as entregas do novo Aeroporto e da Ponte Hercílio Luz, além de estar melhorando a capacidade no setor de eventos. E então veio a pandemia. Cinco meses, muitas leituras, lives e conversas com grandes players depois, ele aponta sete pontos importantes relacionados às perspectivas para o pós-Covid-19:

1) Não há uma “data-chave” para a retomada nem dos eventos presenciais nem do turismo;

2) as cidades - como Florianópolis - que adotaram medidas restritivas no início da pandemia, as em que a oferta turística esteja com protocolos adequados e “números melhores da doença” são as mais buscadas pelos brasileiros para viagens, quando da retomada das atividades;

3) é unânime que a retomada do turismo será baseada no turismo regional (sobretudo staycation ou holistay - quando a família participa de atividades de lazer a uma curta distância de carro de sua casa e não requer acomodação noturna);

4) ainda há dúvidas em relação às ações de destinos para atingir tais potenciais turistas, em como as feiras de negócios B2B, B2C e B2G serão impactadas, e se as negociações serão à distância ou híbridas;

5) a retomada dos eventos tem sido estudada por empresas, governos, entidades. Em Florianópolis, capitaneado pelo Fortur, há uma tentativa de se buscar um evento-teste;

6) a demanda reprimida certamente aparecerá forte quando tivermos uma vacina;

7) parte significativa dos viajantes foi duramente atingida pela crise econômica e não estará em condições de realizar viagens nos primeiros momentos pós-retomada.

Alisson Barcelos

  • imagem de alisson
    Alisson Barcelos Formado em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda com mais de 25 anos de experiência no mercado de eventos. É cofundador da SB+ Eventos, empresa referência em produção de eventos em Santa Catarina e diretor de Eventos Especiais e Confrarias da ADVB/SC. No Portal Acontecendo Aqui, vai falar sobre o que mais entende e ama fazer: eventos, logicamente.

Notícias Relacionadas