CANNES 2019 | Entrevista com Paulo Ilha, VP de Mídia da DPZ&T

06 de Junho de 2019

Ele será jurado da Categoria MEDIA

Como faz há 7 anos consecutivos, o AcontecendoAqui está publicando uma série de entrevistas com os brasileiros selecionados para o corpo de jurados do Cannes Lions Festival que será realizado de 17 a 21 de junho de 2019 na cidade de Cannes, França. Hoje, a entrevista é com Paulo Ilha, um dos mais proeminentes e premiados profissionais de mídia da nova geração de líderes do mercado publicitário. Com um grande conhecimento em todas as plataformas, desde mobile, digital e mídia tradicional, o profissional agrega visão estratégica, utilização de novas tecnologias, desenvolvimento de projetos criativos e forte conhecimento técnico. É um dos principais influenciadores no desenvolvimento de uma cultura de mindset digital que representa uma nova forma de repensar toda a comunicação a partir de mudanças digitais na vida dos consumidores.
Trabalhou em agências como Grey Brasil, Y&R e Africa. Agora, na DPZ&T, uma das agências que mais crescem no mercado brasileiro nos últimos anos, Paulo Ilha lidera uma equipe de mais de 80 profissionais.
Recebeu alguns dos mais importantes prêmios, como Mídia Estadão em 2016 e foi o Profissional de Mídia do Ano em 2015 (Folha/ UOL). Em 2018, Paulo Ilha ganhou um Leão de Prata no Cannes Lions na categoria Media por “Drive-Thruck” (McDonald’s). No mesmo ano, venceu o Caboré de Profissional de Mídia, prêmio mais importante da propaganda brasileira.

 

Qual é a sensação em fazer parte da equipe de jurados do Cannes Lions 2018?

É a minha primeira vez como jurado, embora eu tenha ido ao festival em outras quatro ocasiões. É uma honra e um grande momento da minha carreira. Estou ansioso para colaborar com meus colegas e conhecer trabalhos que tenham, sobretudo, um forte embasamento de dados, uma estratégia muito bem construída, geração de resultados importantes para as marcas e uma abordagem que seja criativa para o consumidor final.

Qual é o aprendizado ou troca de experiências que você imagina ter lá com criativos de diversos cantos do mundo?

Minha grande expectativa neste ano é estudar e julgar trabalhos que, acima de tudo, misturem tecnologia, utilização de dados, que tenham geração de resultado de uma forma bastante clara e que tenham também a criatividade no contexto como um dos fatores principais.

O Festival passou por uma grande reformulação nas 3 últimas edições. O que você poderia citar sobre essas mudanças e o que será avaliado em MEDIA, Categoria que você vai julgar?

Estamos numa época onde precisamos investir em recursos de dados e tecnologias atuais, sempre construindo valores criativos na forma de se trabalhar mídia; tudo que gere maior assertividade na entrega para os clientes. É por isso que espero ver trabalhos globais de alto nível que tenham gerado resultados para as marcas e apresentem uma mistura muito bem equilibrada entre utilização de dados, tecnologia e criatividade. É importante que Cannes abra espaço para discussões e aprendizados que reflitam o mercado atual ao mesmo tempo em que é capaz de indicar o que veremos nos próximos meses na propaganda mundial.

Cite um grande trabalho da sua agência que vai concorrer Cannes neste ano.

Temos alguns trabalhos inscritos neste ano, incluindo “Robô”, o belo filme criado para o “Leia Para uma Criança” de 2018, que é sempre uma campanha muito importante para a agência e o Itaú. Foi uma superprodução com uma narrativa construída em cima da causa e o efeito dos livros na educação infantil com trilha sonora composta por uma versão exclusiva de "Dream On", clássico do Aerosmith. Temos também “A Loira do Spoiler”, que fizemos para a Netflix com inspiração na lenda urbana da Loira do Banheiro. Mas nossa personagem aparecia para causar um dos maiores medos da sociedade moderna: o medo de spoilers. 

O que é mais importante em Cannes? Ganhar um leão, palestras, conhecer pessoas?

Cannes é o palco dos melhores trabalhos do mundo. É uma visibilidade, um aprendizado que agrega muito em matéria de inspiração e conhecimento para que todos consigam realizar trabalhos cada vez melhores como profissionais de comunicação. Para mim, isso é o mais importante.

Por que o Brasil valoriza tanto Cannes? Um dos países com maior número de inscrições, visitantes e leões.

Acho que, desde 2018, o Brasil vem utilizando cada vez mais dados e tecnologia. Somando a isso, as fortes mudanças no mercado brasileiro geram melhorias na qualidade dos trabalhos de mídia. Acho que é um pensamento que reside em outras áreas, afinal é uma vitrine dos grandes trabalhos do planeta. Não há como voltar de Cannes sem conhecimento na bagagem. Isso enriquece cada um de nós como profissionais da indústria da propaganda.

O que não falta na sua bagagem para Cannes?

Muita expectativa nos debates com alguns dos melhores profissionais do mundo.