CANNES 2019 | Entrevista com Laura Florence, diretora executiva de criação da Havas Health & You

16 de Maio de 2019

Laura julgará a categoria Pharma

Como faz há 7 anos consecutivos, o AcontecendoAqui está publicando uma série de entrevistas com os brasileiros selecionados para o corpo de jurados do 66th International Festival of Creativity que será realizado de 17 a 21 de junho de 2019 na cidade de Cannes, França. Hoje, a entrevista é com Laura Florenceprofissional que já passou pelas agências Ogilvy, Publicis e R/GA, além de LOV e Mcgarrybowen, mais recentemente. Ao longo de sua trajetória, desenvolveu campanhas para Kimberly-Clark, Mondelez, P&G e Unilever, onde adquiriu fluência na comunicação off-line e digital ao realizar projetos de construção de marcas, campanhas de performance, conteúdo digital e inovação. Nos últimos seis anos, a executiva ocupou cargos de liderança como diretora criativa, diretora executiva e vice-presidente.

 

Qual é a sensação em fazer parte da equipe de jurados do Cannes Lions 2019?

É muito legal! Acho sempre uma experiência incrível estar com pessoas de vários países, várias culturas diferentes da minha, novas narrativas. É sempre a chance de expandir o olhar. São apenas 7 dias, mas o aprendizado fica pra vida.

Qual é o aprendizado ou troca de experiências que você imagina ter lá com criativos de diversos cantos do mundo?

Tenho verdadeira obsessão por aprender algo novo. As vezes ficamos acomodados na nossa vida, na nossa cultura, essa é uma oportunidade se sair da zona de conforto, ser mais empático, ver o mundo de ouro jeito. Tenho muito medo de ser sempre a mesma pessoa. Experiências novas são transformadoras. Cada vez que a gente passa por isso, melhora um pouquinho. Tenho certeza que vou voltar cheio de novas perspectivas.

 

O Festival passou por uma grande reformulação nas 3 últimas edições. O que você poderia citar sobre essas mudanças e o que será avaliado em PHARMA, Categoria que você vai julgar?

Acho que o festival e o mundo estão num processo de humanização. Nunca se valorizou tanto a emoção e a interferência disso nas relações, corporações e até na saúde. Espero encontrar muito mais emoção numa categoria guiada pela ciência. Não conheço nenhuma pessoa no planeta que não tenha preocupação com a sua saúde. E também é uma unanimidade que a saúde também é reflexo das do que você sente. Acho que Pharma vem ganhando cada vez mais espaço no festival principalmente por isso. Com certeza é uma categoria que vem subindo de categoria.

Cite um grande trabalho da sua agência que vai concorrer Cannes neste ano.

O case “Desperta” para Universal Music. No Brasil, uma mulher é estuprada a cada dez minutos.
Um dos golpes comuns é adulterar a bebida da vítima com drogas conhecidas como rape drugs. Elas atacam o sistema nervoso central causando perda de consciência e amnesia. O abusador geralmente se aproxima da vítima em boates e bares, oferecendo uma bebida já contaminada.
Apesar de previsto na legislação, esse tipo de crime enfrenta uma série de obstáculos para ser investigado. Muitas das vítimas não se lembram do que aconteceu. Menos de 10% das vítimas reportam a polícia.
O maior obstáculo é social. Segundo a ONU Mulheres, a cultura do estupro cria uma banalização da violência sexual, justificada por termos como: “já era madrugada e ela na rua” ou até “balada não é lugar de mulher estar sozinha”. A violência sexual contra as mulheres é normalizada na mídia e na cultura popular. Criamos um pacote contra o crime: um acessório e um videoclipe. Ou seja uma ferramenta contra crime e um potente reverberador de mensagem. A música foi composta especialmente para criar awareness do problema e foi co-criada e interpretada pela Malia, uma das cantoras da nova geração mais promissoras do Brasil. O Desperta, o acessório de unha, foi desenvolvido para detectar a presença de substâncias da classe das AMINAS, ou seja, compostos que contem nitrogênio na estrutura química, presente em todas as rape drugs. Desperta é um produto open source e toda sua formulação e detalhamento técnico está disponível para quem quiser produzir. Assim acreditamos que vamos conseguir atingir mais pessoas e acabar com esse crime na noite para as mulheres possam ter a liberdade de sair sozinha e estar segura.

 

O que é mais importante em Cannes? Ganhar um leão, palestras, conhecer pessoas?

Eita que difícil! Não consigo criar uma ordem de importância pra isso. Ganhar um leão é uma emoção que nenhum publicitário esquece, muda a carreira, faz as noites não dormidas valer a pena. Conhecer pessoas principalmente de outros países e da minha network é fundamental pra mim. Gera novas oportunidades, cria laços com pessoas que antes você só conhecia por e-mail. E isso no dia-a-dia faz total diferença. Acho que em segundo lugar são as palestras. Escolho poucas e boas. Gosto muito de ver as palestras de Innovation.

Por que o Brasil valoriza tanto Cannes? Um dos países com maior número de inscrições, visitantes e leões.

Acho que porque gera um retorno importante. Tanto para as carreiras individuais, quanto para a reputação criativa da agência. É tudo isso vira valorização das ações dos grandes grupos de comunicação. No final é negócios.

O que não falta na sua bagagem para Cannes?

Xantinon e Neosaldina, para aguentar 7 dias de rosé. Filtro solar, porque não saio sem. Um tênis para correr na orla que é um luxo. Chip internacional para participar de todos os grupos de whatsapp e ficar por dentro do que tá rolando na hora. Minhas pedras da sorte para dar uma força pro universo e as peças irem bem. Florais para ansiedade. E um creme para olheiras, porque dormir é algo que se faz pouco em Cannes.