Cannes 2019 | Entrevista com Karen Cesar, CEO e fundadora da Red Bandana

11 de Junho de 2019

Karen será jurada na categoria DESIGN

AcontecendoAqui está publicando uma série de entrevistas com os brasileiros selecionados para o corpo de jurados do Cannes Lions Festival que será realizado na próxima semana - de 17 a 21 de junho -  na cidade de Cannes, França. A décima primeira entrevista da série é com Karen Cezar CEO e fundadora da Red Bandana.

Karen ganhou bolsas de estudo para o Mestrado Executivo Global na Berlin School of Creative Leadership e para concluir a graduação em Design na School of Visual Arts de Nova Iorque. Professora Responsável pelo Módulo de Design Thinking da ECDD-Infnet RJ. É certificada como facilitadora da metodologia LEGO® SERIOUS PLAY®, pela Association of Master Trainers. É CEO e Fundadora da RedBandana, empresa premiada, que há 21 anos presta serviços de Branding, Endobranding, Design Estratégico e Facilitação de inovação com foco em pessoas.
Diretora da ABEDESIGN e, como tal, foi responsável pela Curadoria de Conteúdo da Semana Design Rio edições 2016, 2017 e 2018 promovidas pelo Jornal O Globo. Acaba de se especializar em Ciência da Felicidade, pela UC Berkeley, EDX. Jurada em prêmios nacionais e internacionais, recentemente nomeada para o Juri de Design do Cannes Lions 2019. Atulamente desenvolvendo anteprojeto de Doutorado sobre o tema Design Thinking para a Felicidade: Os impactos da psicologia positiva no ambiente de trabalho e na produtividade das equipes.

Qual é a sensação em fazer parte da equipe de jurados do Cannes Lions 2019?

É um reconhecimento importante aos mais de 24 anos de dedicação ao Design Brasileiro. Em 1997, fundei a RedBandana - consultoria especlializada em Branding, Endobranding e Design para inovação. Sou professora da área há 23 anos e hoje respondo pelo curso de Design Thinking da ECDD Infnet. Participo de diretoria da ABEDESIGN – Associação Brasileira de Empresas de Design - desde 2015 para ajudar a fomentar o mercado e trazer mais valor para as empresas de Design do Brasil e, hoje, estou me aplicando no Doutorado em Neurociências para usar nos processos de inovação com foco em pessoas. Liderada por nossa área de Endobranding, o objetivo é aliar o Mindset do Design e da psicologia positiva para incentivar mudanças nas organizações… Fazer tudo isso, sendo empresa independente, sem sócios, sendo mãe, não foi fácil. Mas com a nomeação para integrar o corpo de jurados do Cannes Lions, vi que valeu a pena! A minha equipe incrível ajudou a tornar esses projetos possíveis. É como se eu tivesse recebido um Oscar. 

Qual é o aprendizado ou troca de experiências que você imagina ter lá com criativos de diversos cantos do mundo?

Considerando que existe um aglomerado de pessoas tão talentosas, em um momento tão relevante, sei que irei aprender o máximo possível com cada um dos jurados. Sobretudo sobre os aspectos culturais dos projetos, suas análises sabendo que existe um traço forte da cultura do país por trás, sobre o mercado de design global. O interessante dessa categoria é a transversalidade: o pensamento do design está em tudo! Isso é fantástico.

O Festival passou por uma grande reformulação nas 3 últimas edições. O que você poderia citar sobre essas mudanças e o que será avaliado em DESIGN, Categoria que você vai julgar?

Foram mudanças significativas, sobretudo na duração do evento. Na minha opinião, necessárias à longevidade do Prêmio. O mercado global sofreu ajustes, nada mais justo que o Cannes Lions seguisse o processo. Na categoria Design, eliminaram a subcategoria Design de Produto, imagino que seja por falta de alinhamento, já que historicamente o Cannes Lions premia “big ideas” e nem sempre os designers de produtos classificam suas criações assim. A categoria tem tido mais aderência em outros prêmios como o IF da Alemanha. Dito isto, acho que faz sentido ela ter sido cortada. Isso não quer dizer que não haja possibilidade de inscrições de peças de Design de Produto no Cannes Lions, mas elas terão que ser encaixadas nas demais subcategorias.  

Cite um grande trabalho da sua agência que vai concorrer Cannes neste ano.

Não vamos inscrever nenhuma peça este ano. Como temos focado muito em Endobranding, as peças criadas para os nossos clientes têm um perfil motivacional, não carregam  “Big Ideas” a ponto de concorrerem ao Leão. A nossa força está no conjunto da obra, promovendo o engajamento da equipe e o crescimento do valor das marcas, de dentro para fora. 

O que é mais importante em Cannes? Ganhar um leão, palestras, conhecer pessoas?

O grande valor de Cannes é a soma destas possibilidades: você se recicla nas palestras, faz networking nos intervalos e nas happy hours, no pós evento e ainda fica em dia com as tendências globais da criatividade em todas as categorias. Minha primeira vez em Cannes foi exatamente há 10 anos. Já naquela época aprendi que praticamente não se dorme nessa semana. O objetivo é aproveitar ao máximo!

Por que o Brasil valoriza tanto Cannes? Um dos países com maior número de inscrições, visitantes e leões.

Cannes tem a cara do Brasil! Não apenas pelo prêmio mas pela atmosfera da Riviera Francesa que tem muito do sotaque brasileiro. Nosso povo foi obrigado a criar desde sempre. Nas ruas, nos sinais, nas comunidades, em grandes centros ou pequenas vilas, em qualquer lugar do Brasil se pode testemunhar a nossa criatividade nata. Um modelo mental que veio para superar as necessidades e a carência que sofremos em um ambiente econômico tão inóspito, baixo índice de investimento em educação e com sofrível distribuição de renda. 

O que não falta na sua bagagem para Cannes?

Wifi pata falar com o filhote que ficará no Brasil, óculos escuros e um bom chinelo de dedo, rsrsrs… Anda-se muito neste festival!