Dependência em Aplicativos: a mudança de comportamento dos profissionais de marketing

11 de Setembro de 2018

Preocupação relacionada com o impacto mental que os anúncios podem ter sobre nas pessoa.

Mais um dia de Cannes Lions, e, hoje, Tristan Harris, co-fundador do Center for Humane Technology, falou sobre um assunto bastante polêmico: o uso excessivo de aplicativos em dispositivos móveis. De acordo com uma pesquisa recente da Hearts & Science e da Omnicom Media Group RISE, o usuário médio de smartphones verifica seus aplicativos até 88 vezes por dia, e isso está chamando a atenção. 

 

O estudo da agência analisou como os dispositivos móveis se comportam, de forma que como as pessoas utilizam os aplicativos, e qual o impacto neurológico pela visualização de anúncios. Nisso, foram investigaddos: biometria, rastreamento ocular e leitura facial, para entender como as pessoas reagem à propagandas na TV e em aplicativos móveis.

 

Nisso, foi observado que durante comerciais a “intensidade biométrica” diminui, enquanto exposta à publicidade nativa, nada mais é do que um método da web, em que o anunciante desperta o interesse dos consumidores, apresentando um conteúdo relevante no contexto da experiência do usuário, fica neutra.  

 

E aumenta com reações emocionais negativas quando interrompida por ofertas nos dispositivos.

 

Os usuários possuem uma relação muito próxima com seus dispositivos móveis, beirando a dependência em muitos casos. E surge assim a preocupação do impacto mental que os anúncios podem ter sobre nas pessoa. Portanto será que os profissionais de marketing devem considerar tanto a viabilidade comercial quanto a responsabilidade social de seu trabalho? Essa é uma dúvida que pairou no ar.

 

Tristan também fala que por trás das telas dos dispositivos, as pessoas não linkam a existência de engenheiros e pesquisadores que analisam e estudam a psicologia para terem uma melhor abordagem. E isso acaba tornando os usuários mais viciados no uso, já que a cada dia é necessário ser mais agressivo na apresentação. 

Harris, Scott Hagedorn, CEO da Harris and Hearts & Science, apresentaram uma análise mais profunda do estudo e para falar sobre publicidade de maneira ética. Sem dúvidas esta edição de Cannes está investindo no quesito social e o impacto da criatividade e publicidade nas pessoas e sociedade em um nível além do comercial.