Você já se tornou um cyborg com a Internet das Coisas?

22 de Junho de 2016

Cannes 2016

Na última segunda-feira, 20/06, publicamos uma matéria chamando para a Internet das Coisas que vai conectar 50 bilhões de dispositivos até o ano de 2020. Mais uma vez, o assunto foi tratado com muita importância em Cannes e desta vez no Innovation Lions.

“Quanto mais rápido você interage com o seu dispositivo, mais cibernético você é”, comentou Amber Case, Cyborg Antropologista esteve presente no Painel do Descobrimento, no Centro de Inovação do Cannes Lions.

Os dispositivos estão se conectando cada vez mais rápido e se tornando mais inteligentes como a geladeira “Smart Fridge”, que se adapta com o cotidiano da família e os relógios “Smart Watch”, que possuem diversas funções muito além de mostrar apenas as horas.

Fortalecendo a nossa periferia de alcance com as mídias
“A tecnologia que está chamando a nossa atenção até o momento em que temos que abrir o próximo e-mail”, declarou Amber Case. A percepção da tecnologia não é só virtual, mas através de som, toques e movimentos e de tudo que está fazendo parte de sua vida diária.

Agora já é possível traçar seus padrões de comportamento através de mecanismos que conseguem entender o que acontece com você no seu dia a dia, informando sobre tudo que você anda fazendo.

Você não pode pausar as pessoas com tecnologia
O tema principal do debate foi sobre “Como salvar a Internet das Coisas com uma Tecnologia um pouco mais Calma”, onde o grande desafio da Internet das Coisas é saber como unir o ser humano com a tecnologia e absorver o que há de bom entre cada um destes dois principais elementos.

É preciso criar uma linguagem que pause durante as nossas ações e que nos dê um curto sinal para que estejamos preparados para o próximo passo sem ficarmos perdidos. Um dos exemplos é o aspirador Roomba, que permite uma troca de ajuda entre eles, ou seja, quando o aspirador está preso em algum local ele libera um curto som para comunicação com os humanos e ter a ajuda para se deslocar novamente.

A tecnologia está mais avançada que os seres humanos
A tecnologia está pronta para os humanos, mas eles não estão prontos ainda para ela. Por um lado a indústria tenta avançar cada vez mais enquanto as pessoas pedem calma e desejam dar pequenos passos. Ainda falta uma sinergia mais perceptível e fácil de ser compreendida entre criatividade, data, tecnologia e comportamento humano para promover uma comunicação autêntica e contínua através de um cenário onde marcas e consumidores conseguem se integrar com facilidade.  

Notícias Relacionadas