Softplan apresenta assistente digital que usa inteligência artificial para auxiliar atuação dos Ministérios Públicos

25 de Abril de 2017

Sistemas que usam a computação cognitiva conseguem encontrar padrões em processos complexos e orientam a tomada de decisões. Com uma precisão que não para de crescer, softwares auxiliam diagnósticos médicos e identificam padrões, por exemplo, na meteorologia e nas preferências em séries, filmes e redes sociais. Agora, no ecossistema da Justiça, especialmente na área de atuação dos Ministérios Públicos, a computação cognitiva pode tornar mais célere e assertivo o trabalho dos promotores, oferecendo respostas muito mais rápidas à sociedade. A Softplan apresentou durante o Innovation Day MP, na última quinta-feira (20), em Florianópolis, o “Assistente Digital do Promotor”, uma solução que usa recursos da computação cognitiva para racionalizar os processos de trabalho e obter celeridade processual, e agradou aos promotores que acompanharam o evento.
 
O Assistente Digital do Promotor é uma solução que usa a inteligência artificial (AI) para promover mais celeridade nas promotorias. “Com o auxílio da ferramenta, é possível, por exemplo, aumentar a capacidade de trabalho e de entendimento dos casos, oferecendo respostas muito mais rápidas”, explicou Marcos Florão, assessor de Inovação da Softplan. 
 
O sistema facilita o entendimento dos casos e a construção de peças processuais que, após finalizadas de maneira estruturada, podem ser enviadas ao Poder Judiciário com apenas um clique.
Por exemplo, após receber o inquérito policial e decidir pela apresentação de uma denúncia, o sistema oferece ao promotor uma minuta para validação.
 
Durante a leitura do inquérito, o promotor seleciona, classifica e vincula entre si os elementos que avalia importantes para elaboração da denúncia. Tais itens, além de extraírem o que é mais relevante no processo e facilitarem o seu entendimento, ajudam a formar o documento final, ao tempo que cria subsídios para o entendimento dos algoritmos de inteligência artificial.
 
O analista de Negócio da empresa, Alexandre Golin Krammes, menciona que a solução “oferece efetivo aprimoramento no estudo dos casos e ainda constitui passo importante para o treinamento dos algoritmos de AI”. É este tipo de ação que possibilitará automatizar, gradualmente, a produção dos atos do Ministério Público.
 
Outra novidade é a possibilidade do próprio sistema identificar determinadas circunstâncias do caso e oferecer ao promotor os argumentos e as jurisprudências a ser usadas.
 
Durante o evento de Inovação, a Softplan anunciou as atividades do Laboratório de Ciência de Dados e a criação do Centro de Inteligência Artificial. A partir de agora, todas as novas soluções desenvolvidas pela companhia terão componentes de computação cognitiva.