O Google cancela a reunião da equipe após o ataque do tipo Gamergate aos funcionários

11 de Agosto de 2017

A demissão de James Damore, engenheiro por trás do controverso memorando anti-diversidade, gerou ira na web

O Google cancelou uma reunião da empresa nesta quinta-feira, 10/08, depois que vários de seus funcionários se tornaram alvos de uma campanha de assalto estilo Gamergate por trolls de internet irritados com a demissão de um engenheiro que havia escrito um memorando controverso sobre a diversidade.
"Esperávamos ter uma discussão franca e aberta hoje, como sempre fazemos para nos unir e avançar", escreveu o CEO Sundar Pichai em um e-mail. Mas, após o vazamento de perguntas de discussão propostas, ele disse que "Googlers" - um termo usado internamente para descrever funcionários - estavam sendo nomeados pessoalmente em sites.

"Googlers estão escrevendo, preocupados com a segurança deles e preocupados que possam ser "expulsos" publicamente por fazer uma pergunta", disse o executivo.

A reunião estava agendada para dar aos funcionários do Google a chance de discutir as consequências de um documento escrito pelo engenheiro de software James Damore que começou a circular amplamente dentro da empresa na semana passada, e foi divulgado à imprensa no fim de semana. O memorando criticou os programas de diversidade do Google, argumentando que a empresa era intolerante às ideologias conservadoras e que a grande disparidade de gênero no Google poderia ser explicada por diferenças biológicas entre homens e mulheres.

Damore foi demitido segunda-feira, depois que o CEO Sundar Pichai classificou alguns dos conteúdos do memo como sendo "contrários aos nossos valores básicos e nosso código de conduta".

Damore e seu memorando rapidamente se tornaram uma causa famosa em várias comunidades de internet de direita, incluindo Breitbart News, personalidades "alt-right" do Twitter e YouTube, Redditors e o antigo editor Breitbart, Milo Yiannopoulos. Breitbart publicou uma série de artigos que destacam funcionários individuais da Google como "guerreiros de justiça social", em alguns casos acompanhados de capturas de tela de conversas internas sobre diversidade.

O vazamento de capturas de tela para a Breitbart sugere que pelo menos alguns funcionários atuais do Google possam estar participando da campanha. Para ler mais acesse aqui, em inglês.