ENTREVISTA | André Loureiro, diretor geral do Waze para América Latina

05 de Agosto de 2019

Carros voadores, 80% das ruas ocupadas por automóveis, 10 anos do Waze e a mobilidade de Florianópolis 

 

Na semana passada o LIDE Santa Catarina realizou na sede da FIESC o seu tradicional almoço-debate que reúne mensalmente os associados da entidade e seus convidados. O palestrante daquele encontro foi o Country Manager do Waze, André Loureiro que mostrou aos participantes como a tecnologia está mudando a configuração do trânsito nas cidades. O aplicativo israelense que nasceu com a missão de salvar o tempo que motoristas dispensam dirigindo conta atualmente com mais de 115 milhões de usuários em todo o mundo. A plataforma colaborativa cria e edita mapas direcionando os condutores para as vias em que há menor trânsito, atualizando em tempo real as condições de tráfego. A tecnologia, no entanto, se propõe a discutir a mobilidade nos grandes centros. 

 

O AcontecendoAqui participou do evento e conversou com o executivo do Waze abordando alguns pontos de sua palestra. Confira:

 

Carros voadores, túneis de alta velocidade, carros autônomos. O que está por vir com a tecnologia em benefício da mobilidade nos grandes centros?

Um ponto interessante de se levantar é: como esses carros, sejam voadores, elétricos ou autônomos, carros, vão se deslocar no futuro? Por onde eles andarão, quais caminhos farão? O processo é evitar que esses modais parem nos trânsitos. Nesse ponto, a expertise do Waze e até mesmo o trabalho que o Waze vem fazendo ao longo de seus anos de história, educando as pessoas a pensarem em caminhos alternativos, será muito bem-vindo como uma forma de logística desses carros. Também acreditamos muito que o futuro da mobilidade urbana pode ser sustentável com a análise de dados, que indica comportamento e tendências. O Waze For Cities Data, por exemplo, é um excelente exemplo do nosso “jeito Waze”. É um programa gratuito de compartilhamento de dados - sempre anônimos - e oferece nossos parceiros - como Joinville - uma maneira melhor de ver e entender dados inteligentes, capacitando-os a tomar decisões mais informadas que ajudarão os cidadãos a se movimentarem mais livremente pelo mundo.

 

Você enfatizou na palestra que 80% das ruas estão ocupadas por carros e que a média de ocupantes por carro é 1,4. Como motivar as pessoas a não usarem mais automóveis?

Vivemos um mundo muito individualista - e o trânsito é um reflexo disso. Por outro lado, a carona sempre existiu e, com o Waze Carpool, unimos esse hábito clássico com o mais moderno da tecnologia. Como falei, o Brasil é um dos principais mercados para o Waze no mundo e também muito importante para o Carpool. A iniciativa do Waze Carpool é mudar o trânsito e as cidades. Sabemos que não podemos fazer isso sozinhos, então criamos um movimento para inspirar e motivar os brasileiros a pegar e oferecer caronas. O Waze pode ajudar a conectar os pontos entre as cidades, os cidadãos e as empresas e, juntos, podemos trabalhar para melhorar a mobilidade.

 

10 anos depois, com a missão inicial cumprida, quais são as novidades para o curto e médio prazos na plataforma?

O Waze está sempre antenado no que o usuário pede e no que o mercado realiza. O aplicativo quando foi lançado transformou o modo como o motorista dirige, e passou, principalmente a ser um protagonista, uma peça principal em identificar como o trânsito está por onde ele passa. O trânsito é uma questão global, e cada cidade tem seus problemas em torno de infraestrutura.

Nosso papel é ajudar nossos usuários a gastar menos tempo no trânsito sempre e compartilhar nossos conhecimentos com cidades e parceiros para ajudá-los a melhorar a mobilidade urbana. Esse mote pauta todas as nossas iniciativas - independente de onde ela se encaixe no nosso roadmap.

 

Waze apontou Florianópolis como a cidade com pior mobilidade no Brasil. Quais as recomendações para melhorar esse quadro?

A cidade de Florianópolis é um parceiro nosso e trabalhamos juntos para melhorar o trânsito na cidade. Ainda, entendendo o comportamento dos motoristas de cada cidade através de dados anônimos do Waze, é possível identificar o melhor momento para reparos e consertos de vias, e também para modificações na estrutura de trânsito de uma cidade, uma vez que o app entende horários e fluxos diários de veículos.