ONU Mulheres premia empresas brasileiras por publicidade não sexista

04 de Outubro de 2019

Reconhecimento foi feito ao Grupo Boticário e SoWhat 

 

Premiação "De Igual para Igual" foi entrege nesta semana , em Cartagena; “Com você eu jogo melhor” levou o 2º lugar entre as escolhas do júri

O Grupo Boticário e a agência SoWhat realizaram a campanha "Com você eu jogo melhor" e receberam destaque internacional pela ONU Mulheres nesta semana. 

A entidade das Organizações das Nações Unidas (ONU) em prol da igualdade de gênero e empoderamento das mulheres realizou a entrega do Prêmio De Igual para Igual Para Publicidade não Sexista, iniciativa que chega à sua quarta edição, em parceria com a USAID (Agência Americana para o Desenvolvimento Internacional).

A meta do prêmio é reconhecer e celebrar projetos que promovam a transformação cultural e ajudem eliminar estereótipos, fomentando a igualdade entre homens e mulheres em toda a América Latina. A cerimônia de premiação, realizada durante o evento +Criatividade para a Igualdade, em Cartagena (Colômbia), teve três cases destacados pelo júri, formado por profissionais da ONU, USAID e oriundos da publicidade e marketing.

“Com você eu jogo melhor”
Este case leva assinatura de criação da SoWhat e ficou na segunda colocação. A iniciativa foi pioneira em interromper as atividades da empresa durante os jogos da Copa do Mundo de futebol feminino, o que só acontecia no evento masculino, tornando-se um movimento sem marca ao convidar outras companhias a abraçarem a causa. No final, mais de 15 milhões de pessoas foram impactadas de forma orgânica, com cerca de 150 empresas se juntando à causa.

“O projeto começou com uma ideia interna no Grupo Boticário para reforçar nosso compromisso pela equidade de gênero e tomou uma proporção tão grande, que mobilizou mais de 150 empresas no Brasil. Foram milhares de pessoas parando suas atividades para apoiar e assistir à seleção feminina de futebol, destaca Lia Azevedo, VP de RH, Comunicação e Sustentabilidade do Grupo Boticário. 

“Além de dar luz ao esporte e às mulheres, gerar essa conversa ajuda a atrair mais atenção, visibilidade e investimentos, indo aoencontro de um universo mais igualitário diante do futebol masculino. Ser reconhecido pela ONU mostra que esta é uma ideia que vai além dos muros do mercado publicitário, com um trabalho que interfere de fato na vida das pessoas. E é isso que buscamos em nossos projetos”, reforça Caroline Swinka, sócia da SoWhat.

Apenas seis prêmios foram entregues, após 108 cases analisados. Entre os outros destaques do júri, o primeiro lugar ficou com a campanha “Mais licença por paternidade", da agência Hoy Argentina para ELA (Equipe Latino-Americana de Justiça e Gênero), que pleiteou e conseguiu aumentar a licença-paternidade daquele país, que era de apenas 2 dias, para 45.  Já o terceiro foi para “Entrevistas às cegas”, da McCann Colômbia para o Crac (Centro de Reabilitação para Adultos Cegos), que treinou pessoas com deficiência visual para fazerem o recrutamento de candidatos a vagas de emprego em diferentes empresas, evitando assim o pré-julgamento dos participantes por cor, gênero, aparência ou outras características.

Mais informações sobre a iniciativa da ONU Mulheres no portal Premiodeigualaigual.com.