Especialista afirma que trabalho de professor deverá ser o mais importante do século 21

14 de Fevereiro de 2020

Alex Beard viajou mais de 20 países e conheceu escolas que desenvolvem ferramentas e métodos inovadores de ensino para enfrentar os desafios deste século

Educação, professores, ensino e formas de transmitir conhecimento. Esses são temas que sempre estão em voga na sociedade moderna, afinal é partindo desses meios que construímos o futuro. Mas será que estamos fazendo da maneira mais eficiente, perante todas as mudanças que vêm acontecendo em rítimo frenético?

O especialista em educação, Alex Beard, viajou mais de 20 países para afirmar que essa estrutura precisa mudar.

Alex era professor de uma escola no sul de Londres até que começou a se sentir estagnado na profissão e decidiu sair em busca de ideias alternativas. Na viagem, ele visitou escolas que desenvolvem ferramentas e métodos inovadores de ensino para enfrentar os desafios do século 21.

Como resultado disso, Beard lançou o livro Natural Born Learners, em que ele reflete sobre quais devem ser as principais questões que a educação vai enfrentar nas próximas décadas.

"A criatividade, a capacidade de resolver problemas e a importância dos professores são os grandes desafios das escolas. E tudo isso em meio à grande incógnita de como lidar com novas tecnologias e inteligência artificial", afirma.

De acordo com Alex, o pior erro que se comete atualmente é seguir aplicando um estilo educacional que vem de milhares de anos atrás em uma sociedade que se transforma constantemente. "As escolas permaneceram no passado e, com esses métodos ultrapassados, passamos 12 anos nas salas de aula, por isso é muito difícil mudar nossos conceitos sobre como a escola deve ser", as escolas permaneceram no passado e, com esses métodos ultrapassados, passamos 12 anos nas salas de aula, por isso é muito difícil mudar nossos conceitos sobre como a escola deve ser, explica.

O especilisata também destaca que a maneira tradicional de ensino - ensinar para que os alunos obtenham bons resultados nas provas de avaliação - não supre a demanda que esses futuros profissionais irão enfrentar. "Estamos treinando (esses alunos) para empregos e profissões que os robôs poderão realizar no futuro. Está claro para mim que não estou preparando (esses alunos) para o que vem por aí. E o erro que estamos cometendo é que colocamos muita culpa nos professores", ressalta.

Para Beard o caminho para alcançar a mudança em uma macro estrutura é investir nos professores, já que para ele, essa é a profissão mais importante do futuro. "Acredito que devemos transformar o professor em uma das pessoas mais importantes da sociedade. Porque, no fim das contas, são eles que vão moldar nossa criatividade, nossa coesão social, que vão estabelecer os alicerces que levam a criar uma economia forte e sustentável. Devemos nos esforçar para dar a eles autonomia e fortalecer seu profissionalismo, em vez de culpá-los porque as gerações mais jovens não estão à altura do que se espera", destaca.

Aprendizado, tecnologia e IA

Além disso, Alex fala no livro sobre a conexão entre aprendizado, tecnologia e inteligência artificial. Ele conta que uma de suas viagens foi para o Vale do Silício. Lá ele viu a inteligência artificial sendo utilizada como ferramenta de auxílio à professores e o quanto isso proporciona resultados positivos para todos os envolvidos. Porém, Alex destaca que o ensino é um processo defiitivamente humano. "Embora a inteligência artificial ou robôs existam, a educação depende da interação humana. Nós aprendemos naturalmente, mas nascemos para aprender em sociedade. No futuro, veremos muitos avanços tecnológicos, mas eles serão incorporados e usados ​​pelos professores", afirma.  

 

Essas informações estão publicadas originalmente em uma entrevista realizada pela BBC. Para conferir a entrevista na íntegra com o professor Alex Bear, clique aqui.