Pró-Música traz à Florianópolis, mais uma vez, a soprano romeno americana Mariana Mihai

06 de Setembro de 2019

Espetáculo acontece nesta quinta, 11/9, no Teatro Pedro Ivo

 

Aplaudida nos mais importantes teatros da Europa e EUA, incluindo o icônico Metropolitan Opera House, a soprano romeno americana Mariana Mihai é uma das mais prestigiadas cantoras da atualidade e vai se apresentar dia 12 de setembro no Teatro Pedro Ivo, em Florianópolis. 

O espetáculo conta com a participação do excepcional clarinetista americano Garrick Zoeter, aclamado no The Washington Post pela sua ”técnica soberba e radiante”, e do renomado pianista catarinense Guilherme Amaral.

Programa
Em Florianópolis serão apresentadas obras de Chopin, Puccini, Franz Lehar, Gershwin, Lloyd Weber, Ennio Morricone, Jaime Ovalle, Vicente Paiva, Pedro Miguel Marquéz, Marcos Portugal e compositores romenos.

Como curiosidade do programa, uma provocativa peça para Clarinete e Compact Disc do compositor britânico Nicola Resanovic, que inclui ruídos de fábricas, uma operadora de telefonia, combinando com o som lírico do clarinete e percussão. Dinâmico e energético. Uma paródia da vida moderna, através do talento do clarinetista Garrick Zoeter.

Mariana Mihai e Garrick Zoeter apresentam-se ao lado de um dos mais premiados pianistas catarinenses, Guilherme Amaral.

Ingressos
R$ 60,00 e R$ 30,00 (estudantes, professores, pessoas acima de 60 anos) 
Clube do Assinante: R$ 40,00.

Vendas a partir do dia 13 de agosto nas bilheterias do CIC, TAC e PEDRO IVO. Também pelo Blue Ticket.

Informações: (48) 999 711 398 - (48) 991 763 498

 

Entrevista
A presidente do Pró-Música, Neyde Coelho, respondeu algumas questões sobre a qualidade e importância do espetáculo para os catarinenses. Confira:

Qual o significado desse evento internacional para a cidade?
A Pró-Música tem no seu histórico de 46 anos a realização de eventos internacionais de grande dimensão. Memoráveis. Por exemplo a Concertgebouw  Chamber Orchestra –Amsterdã, com a violinista de origem chinesa, Sara Chang, em 2018, o Ballet da Ópera de Paris, Kirov Ballet da Rússia, entre muitos outros.  Com essa iniciativa, ela colocou Florianópolis no mapa cultural dos grandes espetáculos mundiais e que eram privilégio de grandes metrópoles. Paralelamente, ela vem formando plateia exigente para suas temporadas artísticas.
Assim, assistir Mariana Mihai, uma das mais expressivas estrelas mundiais do canto lírico, o fantástico clarinetista Garrick Zoeter, juntamente com o grande artista catarinense, pianista Guilherme Amaral, é realmente uma rara oportunidade para a nossa cidade.  

Quais os desafios da Pró-Música e metas para este ano?

Temos planejados dois eventos que brevemente serão anunciados. Contudo, já começamos a planejar 2020. Neste momento, as regras da lei de incentivo à Cultura, tanto à nível nacional, como estadual, vão se tornando mais claras. E a economia, aos poucos, deve voltar a crescer, estimulando as empresas a patrocinarem eventos culturais. Portanto, temos um caminho à frente promissor para planejar espetáculos de grande qualidade e interesse da cidade.  
Por outro lado, o maior desafio é o de aproximar cada vez mais o público da música clássica numa roupagem atual, atraente e vibrante.
Assim é o espetáculo –show com Mariana Mihai.

É possível realizar eventos internacionais em Florianópolis?

Sim. A história da Pró-Música mostra isso, ao trazer orquestras, ballets e solistas de várias partes do mundo, Europa, Estados Unidos, Rússia, Polônia, Hungria, etc. Para que isso seja possível, é preciso haver esta convergência: em primeiro lugar, o aproveitamento de espetáculos que já estejam vindo para o país. Além disso, o interesse das empresas que possam patrocinar o evento e agregar valor à sua imagem institucional. E o público só agradece!

O público para esse tipo de espetáculo vem aumentando?

Ao longo da existência da Pró-Música, podemos afirmar que além do crescimento do público tradicional, houve a conquista expressiva de jovens e também de crianças, estas atraídas especialmente pelos espetáculos de ballet. Mas, é claro que existe muito espaço para avançar, crescer.

A que se deve esse crescimento?

Na minha visão, esse crescimento deve-se a três fatores. Em primeiro lugar, destacaria a política da Pró-Música que desde a sua fundação, dedica-se à formação de plateia. Segundo, à qualidade inquestionável dos seus eventos. Por último, devemos creditar o crescimento de público também devido ao fato de Florianópolis ter atraído nos últimos anos pessoas de outros estados. Inclusive de países vizinhos, que aqui vieram se estabelecer. Pessoas  familiarizadas com espetáculos de música clássica de qualidade.