Rádio Clube é a primeira emissora AM do Sul do país a migrar para a frequência FM

21 de Julho de 2016

Portaria publicada nessa quarta-feira (20) pelo Ministério das Comunicações oficializa a mudança

No ano em que comemora o centenário de nascimento de seu fundador, Carlos Joffre Amaral, a Rádio Clube tornou-se a primeira emissora AM do Sul do país a realizar a migração para a sintonia FM, podendo agora ser ouvida na frequência 98,3 em toda a região serrana do estado. Publicada nessa quarta-feira (20), pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações no Diário Oficial da União, a portaria realiza um sonho antigo, que há anos vinha sendo perseguido pelo Sistema Catarinense de Comunicações.

A migração de faixa é uma antiga reivindicação dos radiodifusores e foi autorizada por um decreto presidencial em 2013, mas apenas nesta quarta-feira a primeira portaria, contemplando a Rádio Clube, foi publicada. De acordo Roberto Dimas do Amaral, vice-presidente de produto do SCC, esse é um dos dias mais importantes para comunicação brasileira e para a Rádio Clube, nas últimas décadas. "Conseguimos concretizar um sonho que há anos vínhamos buscando e enfim poderemos levar a programação da Clube com muito mais qualidade de som à população da região serrana".

Para Daniel Pimentel, presidente da Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e televisão, a migração da Rádio Clube é fruto de um trabalho incansável da ABERT, bem como de seus diretores e da família Amaral, que hoje é comemorado por todos. Pimental destaca que "perto de completar 70 anos de história, a Rádio Clube passa a ser a primeira emissora do Sul do país a mudar para a frequência FM e desta forma continuará prestando um excelente e relevante serviço à toda comunidade". Pimentel também cumprimentou a família Amaral pelo centenário de nascimento de Carlos Joffre, que classificou como "um grande pioneiro da comunicação não apenas em Santa Catarina, mas no país, afinal contribuiu efetivamente para a criação da ABERT".

Processo de migração

Segundo Mário Henrique Candioto, responsável pelos projetos e assuntos regulatórios do SCC, o processo de migração começou em 2013, com o decreto nº 8.139. Desde então a Rádio Clube precisou cumprir uma série de exigências técnicas e jurídicas até a outorga e a portaria publicada nessa quarta-feira. Candiotto destacou a agilidade com que a Clube entregou as documentações necessárias, adequando-se às novas especificações exigidas. Jacques Weissenberg comandou o processo de adaptação tecnológica da Rádio Clube à nova frequência e destaca os investimentos realizados na emissora. "Realizamos a compra de novos equipamentos e estamos construindo um novo e moderno estúdio para a Clube. Dessa forma nossos ouvintes terão acesso a um sinal de excelente qualidade".