Coluna Ozinil Martins de Souza |​ Que bom que existem pessoas diferentes!

23 de Dezembro de 2016

Em tempos de mercantilismos, de aparentar (não é mais nem do ter) em substituição ao ser, vemos alguns exemplos que nos fazem crer que viver e, viver com dignidade, ainda vale a pena. Todos os dias exemplos chamaram a nossa atenção e nos fazem refletir sobre a vida e suas contradições.

A imagem do ex-Presidente do Uruguai, há algum tempo, em um ambulatório médico, na capital uruguaia, aguardando atendimento médico junto com as demais pessoas é surpreendente. Poderíamos dizer que é demagogia, que é um populista aproveitando-se da ingenuidade do povo. Mas, quando analisamos a vida do ex-Presidente Jose Mujica vemos que isso faz parte de seu jeito de ser. Vive e mora no sítio que utilizava antes de ser eleito, doava parte de seu salário para instituições uruguaias que cuidam dos menos favorecidos e, negou-se a habitar o palácio residencial, só o ocupando em visitas oficiais de outras autoridades. Enfim um homem que vive de acordo com sua consciência.

Se fizermos uma analogia pela América do Sul e mundo, veremos que outros que viveram situações similares, estão milionários e vivem como milionários. Os exemplos pululam, principalmente, em “Terra Brasilis”.

Obrigado, ex-Presidente Mujica, por nos mostrar que nem tudo tem preço!

O outro exemplo vem do Mato Grosso do Sul. Um agricultor ganhou em um sorteio da loteria (uma das tantas que existem no país) um prêmio considerável. Declarou que não pretende mudar de vida, que pretende continuar a morar em seu pequeno sítio, mantendo seus hábitos e costumes e, vejam, doará parte do que ganhou a hospitais da região em que vive.

Para muitas pessoas que lerão este despretensioso artigo, este cidadão não está em seu estado normal. Ora, viaje, compre um carro novo, mude-se para um grande centro, curta a vida. Que bom que somos diferentes, que pensemos diferente, que ajamos de forma diferente.

São atitudes como estas, do ex-Presidente ao agricultor, que nos mostram que, ainda, é possível acreditar em uma humanidade melhor. Enquanto existirem pessoas assim sempre haverá a possibilidade de um mundo melhor. Basta seguir os exemplos.

Em épocas como o Natal é interessante refletir sobre o papel que cada um de nós exerce na vida, qual a contribuição que damos para construir um mundo mais irmanado e menos egoísta. Menos festa, menos consumismo e mais reflexão talvez seja uma boa receita para o dia do Natal!

Há um exercício que algumas pessoas praticam no final do ano e que merece ser praticado. “Sobre uma mesa coloque várias notas de dinheiro e, pergunte ao seu eu interior: Quem manda em que quem?” A resposta é sua, somente sua!

Prof. Ozinil Martins de Souza

  • imagem de ozinil
    Possui graduação em Geografia pela Fundação Universitária Regional de Joinville e pós-graduação em Educação pelo Instituto Catarinense de Pós-Graduação. Tem forte experiência na área de Administração de Recursos Humanos, Negociação Sindical, Consultoria Empresarial e Empreendedorismo e atua na área acadêmica.