Coluna Guilherme da Luz | 9 erros de Copywriting SEO que você deve evitar

20 de Março de 2017

Se você está se esforçando para atrair tráfego ao seu site e gerar leads, mas não está tendo sucesso, o erro pode estar no Copywriting SEO. Essa técnica diz que é preciso conversar com o leitor, utilizando palavras-chaves estratégicas e tentar convencê-lo - com bons argumentos - que o produto apresentado é para ele e fazer com que ele caminhe tranquilamente pelo seu site até o final do funil de vendas.

Por isso, não basta apenas ter um texto, é preciso que esse tenha um grande poder atrativo e de convencimento. Existem muitos erros que são cometidos nesse campo. E. para que você não os cometa, veja os mais comuns e que você pode evitar.

1. Não conhecer as suas personas

É preciso saber quem é o seu público, quais são as suas necessidades e problemas. Quando se sabe exatamente para quem está escrevendo, consegue-se fazer um conteúdo que seja direcionado e atrativo, sendo a solução que o seu cliente procurava.

2. Não orientar o público sobre os benefícios

Falar tudo o que o produto oferece não é suficiente para que o público entenda de que forma o seu produto será útil. É preciso mostrar não apenas as características, mas de que forma ele ajuda no cotidiano, muitas vezes, apresentando exemplos reais.

3. Título pouco atrativo

Ninguém irá ler o conteúdo se o título não chamar a atenção. É preciso que ele crie um interesse na persona, fazendo com que saiba que o conteúdo pode trazer informações relevantes e preciosas.

4. Não usar no estágio correto do funil

Não adianta falar muito para quem não está pronto para entender ou não tem ainda interesse no assunto. É preciso saber dosar as informações de acordo com o grau de envolvimento do público.

Se ele está buscando as primeiras informações, elas devem ser mais superficiais. Se o interesse é maior, os detalhes também devem ser. Agora, se o cliente está pronto para fazer a compra, vale ressaltar muito mais o produto e usar até mesmo informações técnicas.

5. Criar confusão visual

Muitas vezes, o leitor apenas escaneia o texto. Isso quer dizer que não faz uma leitura completa, apenas observa alguns pontos que mais chamam a sua atenção. É preciso que haja alguns destaques que podem ser conseguidos com títulos e subtítulos, palavras em negrito e até mesmo imagens.

Quanto mais itens chamarem a atenção apenas ao passar o olho pelos textos, maior será o interesse nele.

6. Não selecionar o redator

Contratar um redator apenas porque ele possui um preço baixo, nem sempre é a melhor escolha. É preciso que ele tenha conhecimento de SEO para saber a forma correta de trabalhar com as palavras-chave, escaneabilidade, argumentação e outros pontos que irão chamar a atenção do leitor.

7. Não ter um objetivo

Escrever apenas não basta, é preciso que haja um objetivo a ser atingido, que pode variar de acordo com a estratégia de cada empresa. Se a ideia é captar leads, então é nisso que o objetivo deve focar. O leitor precisa ser direcionado e instigado durante todo o conteúdo a fornecer os seus dados e, em troca, é comum ofertar algo.

8. Não coloque palavras-chave apenas para contarem no texto

Hoje, os mecanismos de buscas conseguem entender quando se trata de conteúdo ou apenas de uma forma de utilizar palavras-chave. Textos desconexos são excluídos dos resultados. É preciso saber trabalhar com as palavras certas, entretanto, elas devem fazer sentido e serem parte do conteúdo apresentado.

9. Não trabalhar uma linguagem adequada

Não basta escrever um bom conteúdo com a utilização de técnicas de SEO se a linguagem não estiver adequada ao seu público. Não se deve usar o mesmo tom quando se apresenta um produto descontraído e um sério problema profissional.

É preciso que a linguagem e tom utilizados estejam em harmonia com o conteúdo, sempre respeitando os dados da persona.

Sendo assim, fique longe desses erros de copywriting e veja como pode melhorar o tráfego e conversão de suas páginas.

Guilherme da Luz

  • imagem de gluz
    Guilherme da Luz é especialista em Organic Search pela Quinstreet Brasil (Nasdaq: QNST). Com 15 anos de experiência de mercado, já trabalhou com algumas das maiores marcas que atuam online e offline, incluindo Google, Microsoft, Benetton, BBC, Avon, Heineken, Mars, Jaguar, Sotheby’s, entre outras. Tem contribuído na adaptação de campanhas publicitárias internacionais para o Brasil (Transcreation), além de estar sempre encontrando oportunidades para atrair, envolver e converter público-alvos através da busca orgânica. Seguroauto.org, Planodesaude.net e Emprestimo.org são alguns de seus trabalhos que se destacam no topo das pesquisas no Google, em mercados extremamente competitivos.