Cannes Lions | A economia laranja e como as ideias se tornarão o novo petróleo.

21 de Junho de 2019

Ivan Duque, Presidente da Colômbia, e suas apostas no potencial criativo.

 

 

“Não vim aqui para falar de política, mas sobre ideias”

 

Criatividade como agenda política
Juan Carlos Ortiz, CEO da DDB Latina, participou de uma conversa descontraída e inspiradora com Ivan Duque, presidente da Colômbia, e que mesmo com uma agenda repleta de compromissos, fez questão de estar presente no maior festival de criatividade do Mundo e reforçar que a agenda política da Colômbia está voltada principalmente ao potencial criativo para despertar o talento dos indivíduos.

Ivan Duque explicou incialmente que a criatividade é a essência da humanidade e laranja é sua cor. Ele citou o arquiteto Antoni Gaudí, em que ele dizia que a originalidade é retornarmos ao laranja. Esta definição representa um termo espiritual e uma análise dos chacras que se associa ao abdômen e que representa diversão e criatividade. “Laranja é a cor da cultura e se conecta com emoção”, declarou o Presidente.

Em vários momentos deste seminário, o Presidente da Colômbia mostrou a sua conexão com o universo da criatividade e também com a indústria da propaganda. “Quando eu era criança, minha mãe me levava para a Young & Rubicam onde trabalhava e desde pequeno senti esta conexão com esta indústria tão importante para a nossa sociedade”, declarou.

 

A geração de talentos
As atividades criativas são tão importantes para o nosso país que representam o dobro do faturamento quando comparado com ou café ou mineração. Mais importante do que falar de valores econômicos é mostrar o dever em gerar talentos. “Talento você não encontra na escola, porém o setor de educação deveria ser uma incubadora para gerar talentos e transformar a sociedade”, declarou.

É preciso mudar o mindset da sociedade e entender que a nossa formação acadêmica precisa ser totalmente diferente com o modelo apresentado. Não devemos ter a obrigação de ir para a escola com o objetivo de se formar e encontrar um emprego, mas sim termos um emprego que ajude a nos desenvolvermos o nosso talento como indivíduo. 

 

O desafio é lidar com os arrogantes que não querem ser diferentes
Ivan Duque comentou sobre os desafios burocráticos e daqueles que não querem ser diferentes. Quando escreveu seu livro sobre a Economia Laranja para o Interamerica Bank, haviam muitos obstáculos para a aprovação do seu livro e que demoraria muito tempo, até que descobriu que se fosse escrito como um manual, seria muito mais fácil a aprovação e então colocou esta informação na capa do livro. 

A Colômbia está apostando nos setores da criatividade para transformar seu país, seja através da música, teatro, literatura, e outras atividades neste setor. O governo tem traçado planos para estimular também a idnsutria da criatividade e tecnologia, onde promete uma porcentagem zero de impostos durante 7 anos para novas startups.

 

O principal recurso é a criatividade 
Ivan Duque citou também os festivais que acontecem na França como o de Filmes e Cannes Lions, que geram quase um bilhão de euros de faturamento todos os anos. As pessoas estão em busca de atividade criativas e expressões artísticas, seja qual for a indústria. “Um dos principais recostos que temos é a criatividade. Enquanto o petróleo irá acabar um dia, a criatividade é ilimitada e este será o nosso maior patrimônio”, declarou.

 

A importância da nossa indústria
A indústria da comunicação tem a habilidade de se conectar com as pessoas em 30 segundos, os profissionais de comunicação têm a capacidade de comunicar sobre proteção do meio ambiente, falar sobre imigração e outros problemas importantes. Por último, ele convidou toda a comunidade criativa presente no evento para ajudar a criar uma campanha que ajude a combater o desmatamento ao redor do mundo.