Lions Innovation é uma categoria que não precisa de agência | Cannes Lions 2017

20 de Junho de 2017

Susan Lyne, presidente do júri do Lions Innovation e presidente da BB Ventures, comentou sobre o julgamento e o Grand Prix da sua categoria. Ela salientou em primeiro lugar, que a categoria Innovation não necessita de uma agência para entrar na competição e é a única categoria que funciona desta maneira. Susan destacou que o número de trabalhos foi muito grande e havia projetos desde grandes empresas bilionárias à pequenas startups. E, por esta razão, era necessário um grupo de jurados capazes de ouvir uns aos outros.

 

Susan quis ainda responder à questão: O que é inovação? Antes de comentar o Grand Prix.
Ela salientou que  essa categoria foi criada para ver como a tecnologia muda nosso mundo. Mas no final, o foco é a inovação, que não precisa ser necessariamente tecnológica, Dentro da categoria existem sub-categorias, como a Business Innovation, inovação de negócios, ou seja, não é necessário absolutamente uma inovação tecnológica para ganhar um prêmio.

Grand Prix
O Prêmio máximo da categoria foi concedido a uma ação que inovou com um modelo de negócios, que além de ser rentável trouxe uma preocupação humanitária. The Human Metal Iniative, da IM Swedish, é um projeto criado para  confiscar armas ilegais em países da América Latina, transformando seus metais em produtos de consumo (de panelas a maçanetas).
O metal coletado é chamado de Humanian Metal. Já foram coletados mais de 50 000kg de metal, somente na Guatemala e em El Salvador.

Susan comentou ainda que este é o primeiro ano que a categoria tem prêmios de bronze, prata e ouro. E adicionou que a resolução de problemas por via da Inteligência Artificial vai trazer uma nova gama de produtos e serviços, propiciando aos criativos solucionarem os problemas dos seus consumidores.

Brasil
Pelo que se viu, o Brasil ainda não se deu bem nesta categoria. Não teve brasleiro no júri, teve um shortlist e nenhum Leão.