Mentiras, Sexo e Propaganda: O fim da mulher objeto nas campanhas de marketing

26 de Dezembro de 2016

Empatia é o novo caminho para a inovação da propaganda.

Cannes 2016

Matéria publicada originariamente no dia 18 de junho de 2016 durante o Festival em Cannes.

Madonna Badger, fundadora da agência Badger & Winters apresentou o seminário no Cannes Lions que mostra as tendências do marketing e prevê o fim das ‘mulheres objeto’ na propaganda.

 A mulher objeto na publicidade
A percepção atual da indústria de comunicação, que costumava até então transformar as mulheres em objeto sem piedade nas campanhas publicitárias vem mudando. Ao invés de trazer benefícios às marcas, percebe-se agora que isto mais atrapalha do que ajuda.

Através de alguns exemplos, Madonna Badger comprova que as campanhas criativas e que não apelam ao sexualismo estão trazendo melhores resultados para os clientes. Aquela técnica ultrapassada de colocar a foto de uma mulher ‘gostosa’ e o logo no canto do anúncio estão com os dias contados. 

Falou-se muito também sobre o fim dos ajustes dos penteados das modelos com photoshop, retoque nos efeitos de máscaras nas rugas e principalmente sobre a degradação das mulheres nas peças e do apelo sexual das marcas em tentar captar consumidores. 

Petição #womennotobjects conta com mais de 40 milhões de visitas

“Dignidade não tem sexo e sexo vende apenas sexo. Você pode até apelar com sexo nas peças e usar mulheres como exemplo, mas desde que elas possam se divertir com isso também”, declarou Madonna Badger. 

Assine a petição no website  e compartilhe a hashtag #womenoobjects, que dá suporte a esta causa e pretende dar fim a objetificação da mulher na propaganda.   A ação está presente em 175 paises e possui mais de 40 milhões de visitas, levantando o questionamento e fortalecendo a causa que tem a missão de deixar um legado e contribuir para o fim do abuso em campanhas publicitárias.